sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Bi... Bugu-Bugu di Fevereiro

Tenho um amigo que nem kutunbenben. Ele é um atêntico kutunbaibai dentro do mundu cibernético. Mandou-me isto, agora, às 12:49, deste 29 derradeiro.

O nosso cérebro é uma grande máquina !!!
De aorcdo com uma peqsiusa de uma uinrvesriddae ignlsea, não ipomtra em qaul odrem as Lteras de uma plravaa etãso, a úncia csioa iprotmatne é que a piremria e útmlia Lteras etejasm no lgaur crteo. O rseto pdoe ser uma bçguana ttaol, que vcoê anida pdoe ler sem pobrlmea. Itso é poqrue nós não lmeos cdaa Ltera isladoa, mas a plravaa cmoo um tdoo. Sohw de bloa. Fixe seus olhos no texto abaixo e deixe que a sua mente leia corretamente o que está escrito.

35T3 P3QU3N0 T3XTO 53RV3 4P3N45 P4R4 M05TR4R COMO NO554 C4B3Ç4 CONS3GU3 F4Z3R CO1545 1MPR3551ON4ANT35! R3P4R3 N155O! NO COM3ÇO 35T4V4 M310 COMPL1C4DO, M45 N3ST4 L1NH4 SU4 M3NT3 V41 D3C1FR4NDO O CÓD1GO QU453 4UTOM4T1C4M3NT3, S3M PR3C1S4R P3N54R MU1TO, C3RTO? POD3 F1C4R B3M ORGULHO5O D155O! SU4 C4P4C1D4D3 M3R3C3! P4R4BÉN5!

Bil - Rescaldo de Fevereiro



(copiado do Blog Hist. de Encantar-Pot)


Ontem vi um dos melhores espectáculos de sempre do Auditório Olga Cadaval: Mayra Andrade.
Conheci-a através de um amigo, o meu querido Rogério Charraz e até ao momento em que o ouvi cantar Dimokransiâ (Kaka Barboza) nunca tinha escutado nada de Mayra.
Aquela canção espicaçou-me a curiosidade e ontem quando a ouvi cantar em palco vivi uma verdadeira história de encantar.
Olhava para ela e sentia o seu balanço, a alma de Cabo Verde, a Morabeza, o mar quente do Sal, o corpo a deslizar suave, a voz profunda e afinada, a fresca beleza dos seus 22 anos, a sobriedade de quem é excelente, a doçura do olhar, as mãos que voavam, um vestido preto que dançava sozinho no palco, o desafio permanente aos fabulosos músicos que a acompanham habitualmente: Nelson Ferreira (viola), Tarcísio Pinto Gondim (viola), Ricardo Fernando Pinto «Feijão» (baixo) e José Luís Nascimento (percussão).
Mayra canta e cantou ontem como ninguém!Dentro de si vivem o jazz, a morna, a coladera, o soul, o fado, o samba, o choro, a alma de um povo e um talento sobrenatural...
Ah, já me esquecia, dentro de si vivem também o amor louco, os beijos quentes e os abraços dos eternamente apaixonados...
I know! Cross My Heart!
Mayra Andrade... simplesmente fabulosa!
Beijos,da Princesa


Dimokransiâ (Kaka Barboza)


Kantádu ma dimokrasiâ,

Ma stába sukundidu,

Ma tudu dja sai na kláru

I nós tudu dja bira sabidu.

Kada um ku si maniâ

Fla rodóndu bira kuadrádu,

Kada um ku si tioriâ

Poi razom pendi di si ládu.

Ti Manel bira Mambiâ,

Ti Lobu bira Xibinhu,

Ti flánu ta faze majiâ

Ta poi grógu ta bira vinhu.

Mintira pom di kada dia,

Verdádi ka s’ta kontádu,

Nós tudu bira só finjidu

Ku kombérsu di dimagojiâ.

Vida bira simplismenti,

Konsedju bira ka ta obidu :

Tudu é agu na balai frádu

É rialidádi di oxindiâ.

Maioriâ sta tudu kontenti

Ku avontádi na dimokrasiâ

Fládu fla ka tem simenti,

Dipós di sábi móre é ka náda.

Inglés bem toma si tchom,

Sam-Fransisku bira más sábi,

M-kré odja róstu-nhu Djom

Ta ri ku si kumpadri.

Dja skesedu di Pepé Lópi

Bá rabuskádu Nhu Diogu Gómi,

Rasusitádu Nhu Kraveru Lópi,

Ka ta konxedu Inásia Gómi.

Ali bem témpu ditádu-NhuNáxu

Ta bira sima juís di mininu

Gentis djunta grita abáxu

É kabésa ki dja perde tinu.

Bilhete Vazio


Caros Amigos
Cá estou, para de uma maneira triste e contente ao mesmo tempo, vos anunciar que, pela lógica dos acontecimentos, importando pouco aqui referir, mas, que de todo o modo são alheios á minha livre e expressa vontade, e, que, também, colocaram tudo e a mim numa situação pouco clara, estando o previsto em evidente desvantagem em relação a uma outra, a que antecedeu a esta, e que se prende com um procedimento que eu devia ter para com os meus mais dilectos amigos e visitadores dos bilhetes e posts, digo, do SVS, dentro e fora do contexto nacional, em cujo paleio anterior tinha ficado ciente em como eu devia num novo acto celebrativo contar os dias e as horas do nado-vivo, em festa, todos juntos, assistindo a umas palavrinhas de conforto, pelo que, por razões redondamente não imputáveis a ninguém, como anteriormente vos disse, que, pela lógica dos acontecimentos, importando pouco aqui referir, mas, que de todo o modo são alheios á minha livre e expressa vontade, e, que, também, colocaram tudo e a mim numa situação pouco clara, estando em evidente desvantagem em relação a uma outra, a que antecedeu a esta, e que se prende com um procedimento que eu devia ter para com os meus mais dilectos amigos e visitadores dos bilhetes e posts, digo, do SVS, dentro e fora do contexto nacional, em cujo acto anterior tinha ficado patente em como eu devia num novo acto celebrativo contar os dias e as horas do nado-vivo, em festa, todos juntos, assistindo a umas palavrinhas de conforto, pelo que, por razões redondamente não imputáveis a ninguém, como anteriormente vos disse, que, pela lógica………………
Assim, devo, eu, clarificar: ... : ! , .
Fevereiro não tem 30 nem 31 dias.
Os dias faltantes jamais serão Fevereiro.
Seguido da ocultação da lua é a vez do SVS se ocultar por ... ...
Fica o vazio que será preenchido por … ...
Atenciosamente, SVS. (bk)

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Post Sen Kontrolu



Rapazis!
Tremura toma na mi. N ka sabe sê gripi ô si ka linpu ka kanba na mi. Kudadu da-n própi.
Guentis antigo dja flába mé: "pâpia na kuza runhu, kuza apareci".
Nton é ka si, ki góssi li, mi ku gripi dja toma-n na kurva, ki kabessa ka sta dâ pa mas nada, nen kel meiu kuartu, ku limon, ku ádju, ku mel quenti di bedjera inda ka kura-n.
Nton é ka si, ki li na nha saleta di konputador, na pó di planta ki N têni na vazu, kel kuza runhu li parse-n nha dianti roladu rostu pa mi, ku gána leba-n kóba kráki.
Eh..eh..eh... kredu inkruz bataréru, fitisseru infernadu longi-l mi, miassa N dábu ku águ fedegóza, djobe-n N fazê-bu fisga kanhota pa bu bá bordolega la fundu mar.
Eh Nhu Sã Djon da Madera. Nhu dan sinza di bosta karneru, da-n fumu di erva xeróza, da-n lansa di Nhu Sâ Jorgi kavaleru, da-n barapó di Nhu Sã Djon da Ajuda, pa-n sôta xúxu d'infernu ki dja kanba-n dentu nha kaza.
Fitisseru, disgrassiadu! Fisga kanhóta, tróska maróska, mal lobadu é na fundon d'infernu, anus e anus sen fim. Dexa-n nha kaza, dexa-n nha spritu sussegadu.
N kába di blasfêmia kuza kapri kai na vazu. N rabida N djôbe, N átxa un kuza ki pârse rabu largatixa, rassekadu cinza ta báza.

Post di Oji



Na béspa di Fevreiro bá si kaminhu, un kazu kuriozu.
Diferensa ki ten entri kel kobra li, ku kel ki ngána Eva na paraízu é si:
- kel di paraízu mostra Eva undi ki era koba kráki pa Adon kontenti y atxa sábi.
- kel li si pega Eva é ta manda-l pa koba kráki. Ku Adon ku tudu. Bó mé bu ta bai.


quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Bilhete Super-Realista


Esta noite aconteceu uma cena campeã de super-realista. Eu vinha a pé da churrasqueira Dragoeiro, rosto para casa, quando o aviso de um gemido chamou a minha atenção, nas imediações do liceu da Achada Santo António, Pedro Gomes. Parei, rebusquei a área, nada. Nada vi. Mas, que tinha sentido um gemidinho não tinha dúvidas nenhumas. Como ando à noite de “rezólvi” (prevenido) para resolver casos inesperados, fiz outra curta paragem. Comentei comigo mesmo - kuza sta pa li - (há coisa por aqui), enquanto avançava devagarinho. Dito e feito. Havia um parzinho num lugarzinho meio escurinho e, logo, claro, não deu para virar a cara e nem para aproximar mais dos dois.
Qual não é o meu espanto, quando abro e arregalo os olhos, e vejo duas cabeças uma mais alta e outra cabeça mais baixa, falinhas surdas, gestos ardigados, roupa desbotoada e cabelo furfunhadu (despenteado), estranhei logo, tirei o “rezólvi” e mandei o fulano parar. Continuaram. Depois é que compreendi, que não se tratava de kassu-bódi (assalto). Era algo que tenho de fazer um exercício e um esforço de memória (sim porque é difícil arranjar palavras), mas lembrei-me, rapidamente do Zé Lôvi. O parzinho bódi-lôviava, cerca das 20:47, num canto dessa rua muito frequentada. Pois, na Praia, lôvia na sukureta, é normal…., é dimokransa. É ka odja-n N ka odja-l (não me viu, não o vi). (kb)

Post Confidencial pa J.E.Cunha

Caro Zé Eduardo
Para ti em exclusivo este poema secreto colhido da planta fantasma... Ibyágu. Amigavelmente.
Floris d’Ibyagu

Izisti ta….
Uns floris
Invisível na ventri fantasma di tenpu.

Izisti ta …
Uns raízis
Possível na siu di silênsiu nha viola.

Izisti ta…
Uns fodjas
Indisifrável na zibiu kantanti di ventu.

Izisti ta…
Uns simenti
Possível na aza-l txintxiróti sen gaiola.

Sima Floris d’Ibyagu
Ten na aru louku di odju d'águ
Pa dorna sonu nha dondágu.
(KB)

Post pa Terra-Longi



Ess puezia ta bai pa tudu fidjus di terra ki sta longi kada un na si afazer.
Ta trabadja ta studa ó ta vivi. Anós alanu li ta manti ku ilhas, ku txuba ó sen txuba.
Basta Sol manxe tudu dia vida nu striba ku el ti ki dâ.
Basta ser ki ali kau ta bá ta konpo divagar-divagar.
Kuzas sta pa kaminhu.
Dja-n flâ kantu bez ma anu 8 li é paridera.
Oitu é sinal di dôs obu confinadu na sis transu.
Demu, ta djângua.
Nhos manti fixi.
PUEZIA NA TABERNA


É li própi k’é terra-terra
Bon legrêti di amizadi
Undi ki tudu fidju-l terra
Podi palestra y xinti sábi

Linpu, pintadu ó vélha
Na kopu kualker un dês
Pa piritiva di mé di vera
Un bu báfa, dôs… ti três

É li própi k’é terra-terra
Kau di matxu y di fémia
Ka ten fita ka ten pinera
Toma di bó sen blasfêmia

Nhos tudu fépu é amigu
Xintadu ó na pé di balkon
Toma pága sai sen inguísu
Dâ fiadu ki fali Nhu Djon

É li propi k’é terra-terra
Kau sta ku poku dinheru
Kantu diskansa kabessa
Konpo korpu anu interu
(Kaká Barboza)

terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Post ki Bali Pena Poi


Kel minina li, nhaku pikena, sa ta faze kuza na kosta baxu. Kada bez ki brrr.. si N baskudja, N ta átxa y ta manda fládu, ma Mayra Andradi sta ta mata kuriozidadi di tudu kês ki bá odja sis konsertu. Ale-l la na kantu kau di Portugal ta kantâria kabu verdi na obidu di mundu.
Bali y ben baledu. Ali forssa di SVS. Nossa Sinhora di Bua Kunpanha, Sã Jorzi kavaleru, Nossa Sinhora da Luz, Santu Nomi na bu kunpanha, pa librau di prigu na salta strada di mundu.
Nos nu sta li na terra ta bá ta toma nota manenti. Ayan. Manti suguru. Diós adianti.

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

Bilhete - Resposta ao Paulino -


Paulino O Caçante de Caminhos

Pequenas sílabas musicais do vento no pente basáltico frígido, rendado de nuvens, desenhando uma tela aconchegante, para o resfolgar na esquina da primeira paragem. Vi-te caminhando, oh caminhante de mil léguas das ilhas encostadas aos lábios do maramante. Porquê meditar o caminho andado se o que falta subir é expressão contagiante da ilha, na fronte da nossa viva saudade. Aí estavas tu, Paulino, filho das torres da ribeira torrencial, cantando a música dos trapiches e levadas para o sossego do mar largo.

A subir, a subir, bróda. Sim, vi-te, bróda, a contemplar o poço fundo e incitar o medo e a curiosidade simultaneamente, a porem-se de pé, para a grandeza da silhueta das ilhas plantadas no estrado líquido onde as baleias e os golfinhos dançam os seus casamentos. Vi-te, bróda, a subir a profundidade do Piki Ntóni, para descobrires o fim do céu da ilha e início de nós mesmos. Sim vi-te, caminheiro. Eu era a nuvem que se afunilava na poesia das pedras de há milhões de anos.
Em mim, em ti, sobravam a necessidade de nos encontrarmos ali no limite das lendas do Pico de António, ao pé de nós todos ilhéus. E vi a tua mão com o dedo em riste a furar os caminhos vicinais de ida e de volta, sempre catando no solo das coisas aparentemente estéreis as pétalas contentes das gargalhadas da descoberta do símbolo de Santiago. Foi dali que o mundo descartou para nós, ante o universo, o canto das enxadas no poio da azágua de todos os anos. Eu chamo a isto dádiva, porque as idas e os regressos têm a finalidade de poderem ser exactamente nós mesmos crescendo com as ilhas conhecendo.
Estou certo, bróda, que esta aventura na pele das tuas garras é mais do que o vicio das ilhas palmilhadas, mas como me disseste no outro dia, é ficar bêbado da poesia das brisas, das paisagens, do assobio distraído dum pássaro, enfim da magia das pedras antigas onde a memória dos deuses se perpectuam. E ficaram bonitos os retratos mostrando a penumbra do dia cansado mas reconfortante; e ficou bonito a malta em peso a esvoaçar os seus sorrisos para os galhos enforquilados de Fevereiro; e ficou lindo o vosso gesto multicolor de pastoreio.
A minha contentesa triste fica, porém, retida neste Bilhete, em resposta ciumenta ao teu, porque, como ovelha desgarrada do rebanho descontrolado, aguardo o dia em que contigo possa eu palmilhar uma milha sequer da ilha, para reforçar os pilares da crença antiga da minha viola.
Porque ter nos ombros o drama de não conhecermos a palmo o chão do nosso chão é catar mentiras para o canto infeliz de uma viola pesada como a ignorância. Invejo-te, bróda, porque, contigo trouxeste o peso do mundo no silêncio das tuas retinas.
A missão de um caçante de caminhos é dar a conhecer a todos nós, e aos outros, o pertinente olhar recolhido do chão e do céu das profundezas das ilhas que amamos, e recolhido da forma como tu o fazes, bróda. De cada vez, bróda, semeias flores vivas na paisagem das nossas mentes. Enquanto que eu por aqui fico polindo os meus bilhetes de palavras que não chegam para atenuar o salitre na tua mochila, sabendo, contudo, que voltarás sempre com notícias das caminhadas e de todos os festivais de sítios inéditos visitados e das embriaguezes que os descampados de pura poesia escondem detrás das suas idades.
Aceita, amigavelmente, esta resposta para o sossego de spirt do caçante de caminhos, que tu és, meu bróda, Paulino.

domingo, 24 de fevereiro de 2008

Bilhete - Viagem de Regresso

O Boeing dos TACV gemia em pleno espaço. Estava a cinco horas de Boston. Seat Five B, cinto laço, descalço e tranquilo, mas com a cabeça ainda em Randolph, Roxbury, Milton, Dorchester e Brockton (em Gá, Bart, Nato, César e Tony), cinco espaços de múltiplos abraços, cinco peitos limpos. Yeh! Boy. Concluí uma felizbela estada entre vós. Melhorou a minha saúde. Many thanks again and again. I love y’all. I’ll be back soon. Acomodei-me no assento, abri o bloco tirado da pasta, e comecei a rascunhar o email para eles. Passado algum tempo, o corpo molificou e, pronto… dentro da viagem uma outra aconteceu. Acabei por dar conta de mim dentro de um espaço cheio de gente e, no momento, tudo parecia estar no seu devido lugar incluindo o que ia dentro da cabeça do primeiro orador que, frenético, insistia em ‘falá contina’, a dizer coisas que muitos dos presentes não se mostravam dispostos a ouvir, mas consideradas esplêndidas pelo orador.

Falou o Senhor Dôtor Saltão. Agora é a vez do Senhor Dotôr Ratão. Disse o apresentador. A leitura do curriculum tinha ficado pelo princípio, quando uma voz grave modificou o ambiente fazendo parar o apresentador. Porra! Para quê stressar os outros com tudo isso, se viver é ‘empuxar e purrar’, sem parar, para frente e para trás. Zurrar, é que não, Stressembuxa e Burrifica. Finalizou, o seu discurso com a maior descontracção deste mundo, deixando o lugar frente ao palanque. Aplausos e mais aplausos encheram o espaço.

Um sujeito bem composto apareceu e com uma certa autoridade foi afastando os da frente até chegar ao lugar deixado vago. Perguntaram um ao outro o que esse homem iria ali fazer. Pediu e deram-no o microfone e arrancou o falatório. Minha gente, atenção, eu vou colocar dois pontos. Um. A minha Dôtóra morreu por falta de dôtor. E agora? Como arranjar uma besta nova? Dois. Morreu a fêmea e ficou o macho solteiro. Gilda, digo, cabra, como obter uma nova? Ficámos solteiros. Ambos. O espaço encharcou-se de ruidosos gritos e aplausos.

Nesse mesmo momento, veio do outro lado da bancada uma senhora fina e elegante, trajando um conjunto de cores muito bem combinadas, tomando o seu macaquinho no colo. Abria e atravessava a multidão sempre a gritar. Deixem-me passar. Por favor deixem-me passar... e começou: - Ouvi dizer que estão ali montes de dôtor, algum há de ser “veturinário” de confiança, isto é, que saiba medicar o meu fôfôkuxo. Arrebatou o microfone da mão do sujeito e desatou a falar com fadiga na voz. Gente, eu estou aflita. Aflitíssima. Ia viajar. Eu poderia até levá-lo, mas ele está com ‘xurrika’porque viu a Dôtóra morta. Longas gargalhadas e apupos tomaram conta do lugar.

Sem esperar muito, uma outra jovem senhora, simples e sorridente, carinhosa, vinda da multidão, aproveitou logo e pegou do microfone, segurando-o contra o peito, disse com ternura na voz: - amigos, alegra-me estar aqui no meio de gente ilustre. Todos sabem que asno é um animal intelectual e de intestino longo. E qual é o intelectual de intestino curtérrimo? A troca de olhares varreu o espaço em segundos. Piolho! Disse alguém! Falei em animal. Corrigiu a senhora. Ninguém chegou lá. Disse depois de inquirir com o olhar. O silêncio foi cortado por ela mesma. Corvo! É corvo, gente. Ele cobra e obra logo! Risos, aplausos, gargalhadas e ovações sem conta.
Assim fora resolvida a situação, encaminhando todos para um final feliz.

De repente, endireitei o pescoço, e acordei. O espaço virou totalmente outro. O pessoal dormia cada um do seu jeito no seu assento enquanto o lusimento trazia o alvor, para dentro da cabine. Disse para mim: “lindo, olha como é que essa hóstia laranja sorve a negrura, devagarinho, dando lugar ao claro”. Lá em baixo umas pintas acastanhadas em série de dois esperavam por mim. Jamais aqueles lábios pétreos se recusaram abraçar, sorrindo, para a tépida ternura do seu maramante. Adivinhem Rapazes? (KB)

sábado, 23 de fevereiro de 2008

Post para Ciumentos

Fot. Kb - Quem não gostaria de morar num bairro assim?

Prédio o Bairro que Dá Ciúmes

Aconteceu às 18:00 de hoje. O RolaSamba foi convidado a desenterrar a batucada do carnaval e pronto... o ambiente era este. Tudo por causa do Cometa que eclipsa, nunca, para o bem do nosso bairro, aliás, Prédio é o melhor bairro do mundo. Raro é aquele ou aquela que vem das ilhas, que aqui não vem parar, para gozar do ambiente alegre e festivo, diáriamente, sendo, eu, o sorteado por merecer tudu isso. Eh! Pá... culpa não... há sítios fabulosos, pois, não...???

Post de Domingo



Fot. Kb - Proa dun Deminge Sentóde
SENTÓDE
El ten pé... el ka ta anda
El ten korpe... bo ka t’oia-l
Senpre ta bá ta rafila
Se passar é fláa inflamóde
Ta peska na orela d'ilha
Note dun grile dezusperóde
Na ansia de fogá sê grite
Na guéla dun bróke sagróde
(KB)

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Bilhete do Bilhetinho



BILHETE DO PEDRINHO
(Enviado de Inhambane pelo Guita Jr)
Pedrinho estava indo pra escola quando tropeçou numa pedra, caiu e achou um bilhetinho. Então leu o bilhetinho e levou pra escola.
Chegando lá a professora perguntou por que ele tinha se atrasado e ele respondeu: Quando eu tava vindo pra escola eu cai e achei esse papelzinho. Então deixe eu ver esse papelzinho. Depois de ler o papelzinho ela falou: - Que desaforo! Já pra directoria. E lá foi o Pedrinho pra directoria. Chegando lá a directora perguntou: - O que você está fazendo aqui, Pedrinho? - É que quando eu tava vindo pra escola, eu tropecei numa pedra e achei esse bilhete; trouxe pra escola, a professora leu e me mandou pra cá. Depois de ler o tal bilhete a diretora falou: - Tá expulso, já pra tua casa!!!
Chegando a casa sua mãe perguntou o que ele estava fazendo tão cedo em casa. - É que quando eu tava indo pra escola, eu tropecei numa pedra, achei esse bilhetinho, levei ele pra escola, a professora leu, me mandou pra directoria e a directora me mandou pra casa. E depois de ler o tal papelzinho a mãe dele falou:- Que desaforo, menino, vai lá no serviço do seu pai falar com ele. Chegando lá, o pai de Pedrinho perguntou o que ele estava fazendo lá e ele respondeu: -É que eu tava indo pra escola, tropecei, achei esse bilhete, levei pra escola, a professora leu, me mandou pra diretoria, a diretora leu, me mandou pra casa, a mãe leu e mandou eu vir pra cá. Depois de ler o bilhete, seu pai falou:- Que desaforo, menino, tá expulso de casa.
Chegando em baixo do viaduto, o mendigo perguntou o que ele estava fazendo lá e Pedrinho respondeu: - É que quando eu tava indo pra escola eu tropecei, achei esse bilhetinho; levei o bilhete pra escola, a professora leu, me mandou pra diretoria, a diretora leu, me mandou pra casa, minha mãe leu, me mandou falar com meu pai que me expulsou de casa e mandou eu vir pra cá. O mendigo, então, lendo o bilhetinho, chamou o policial; então o policial perguntou pra Pedrinho por que ele tava lá e ele respondeu: - É que eu tava indo pra escola quando eu tropecei, encontrei esse bilhetinho, levei pra professora que leu, me mandou pra diretoria a diretora leu, me mandou pra casa, a minha mãe leu, me mandou falar com meu pai, meu pai leu, me expulsou de casa e mandou eu vir pra cá, o mendigo leu e chamou o senhor aqui. O guarda, depois de ler o bilhete, disse: - Está preso!
Chegando lá o outro preso perguntou o que ele estava fazendo lá e Pedrinho respondeu:- É que eu tava indo pra escola e tropecei e encontrei esse bilhete; então eu levei pra escola, a professora leu e me mandou pra directoria, a directora leu e me mandou pra casa, minha mãe leu e me mandou falar com meu pai, meu pai leu e me expulsou de casa e mandou eu ir pra de baixo do viaduto, o mendigo leu e chamou o guarda, o guarda leu e me prendeu aqui. O preso então, depois de ler o bilhetinho chamou o carcereiro, chegando lá o carcereiro perguntou pro Pedrinho o que ele estava fazendo lá então ele respondeu: -É que eu tava indo pra escola, tropecei, achei esse bilhete, levei pra escola, a professora leu, e me mandou pra directoria, a directora leu, me mandou pra casa, minha mãe leu e me mandou falar com meu pai, pai leu, me expulsou de casa e mandou eu ir pra debaixo do viaduto; chegando lá eu encontrei o mendigo que leu, e chamou o guarda, que leu e me prendeu, depois o preso leu e chamou o senhor. Depois de ler o bilhete o carcereiro falou:- Já pra cadeira eléctrica!!!
Chegando no céu, São Pedro falou:- O que você está fazendo aqui meu filho?- É que eu tava indo pra escola tropecei e achei esse bilhete, levei pra escola a professora leu, me mandou pra directoria, a directora leu, me mandou pra casa, minha mãe leu e mandou eu ir falar com meu pai, meu pai leu me expulsou de casa e mandou eu ir pra debaixo do viaduto; lá eu encontrei o mendigo que leu e chamou o guarda, que leu e me prendeu; lá, o preso leu e chamou o carcereiro que, depois de ler, mandou eu ir pra cadeira eléctrica e eu vim parar aqui. Depois de ler o bilhetinho São Pedro falou:- Já pro inferno!!!
Chegando lá o diabo perguntou por que ele tava lá e ele respondeu:- É que eu tava indo pra escola quando eu tropecei numa pedra e achei esse bilhete, levei pra escola, a professora leu, me mandou pra directoria, a directora leu e me mandou pra casa, minha mãe leu, me mandou falar com meu pai, meu pai leu me expulsou de casa e mandou eu ir pra debaixo do viaduto; chegando lá o mendigo leu, chamou o guarda, o guarda leu e me prendeu; chegando lá, o preso leu, chamou o carcereiro, o carcereiro leu, me mandou pra cadeira eléctrica; chegando no céu São Pedro leu e me mandou pra cá. E na hora que o diabo pegou o bilhetinho pra ler, o papel queimou. Então Pedrinho ficou por lá e nós ficamos sem saber o que estava escrito na PORRA do bilhete.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Bilhete Xatiadu Si


Nen tudu ki é purtugês sta dentu-l ´NÓS. É mintira. É falsu ukontráriu.
Abcedáriu LUSO é ka ALUPEC. Es kuza é assumidu ku kôdjôn. Ronkôdju é tiston y meiu.
Nu meste sai di ALU pa nu passa pa ALIgrafia ki ta identifika ku nos língua.
Onti N fla. Ness terra li, duenssa grávi é akademismos di kuskus di alfarroba.
Ka ta farofa ka ta bindi. Bianda ka bokadu, ku leti ka ta môdja, ku pratu ta môskia.
KA PA LAMÚRIA... KA PA DISKURSSA ... É PA SANTA NA PAPEL, PA TESTA... PA PUBLIKA... PA PÚRFIA.
Karafu-nhafu-Nhô!

Bilhete Celebrativo 7

Fot. Kb Kandirin konprod na Puntinha de J'nela Stº Antão
Oji nhas amigu é dia di língua maternu.Ten txeu atividadi na monti skola pa komemora es dia li.
ACRIDES ta sta na Palássiu di Kultura Ildu Lobu, pa sais hora di tardi k'un bon programa rekreativu ku mininus di skola pa un ressital di puezia e kontus, má tanbé ku muzika au vivu pa grupu juvenis.
Ta fika es primeru puema di livru SondiViraSon.
NA GETU Y NA GOSTU
DI SENTIMENTU-L TERRA

Bai Palavra! Dja bu grandi djâ
Y pa bu ser grandi sima debe ser
Bu ten ki korre mundu
Na getu y na gostu-l sentimentu terra
Papiadu na ton di si konduta
Xapatá-xapatá… txon-txon
Sen medu
Na kriolu klaru e karu
Pa tistimunha dinati di mundu
Kultura y amor síviku
Dun povu sakédi na folsa-l si ossu
Ki kria a si manera
Na ninhu konsagradu-l si sorti
Si arti di sta na mundu
Si passu di konpassa ku tenpu.

Bai Palavra ! Dja bu livri djâ
Y pa bu ser livri sima debe ser
Bu ten ki dizafia tenpu
Sen burgonha na rostu
sen ndjútu bu nomi
santadu ku forsa di letra
na A-B-C- di tudu skola
Pabia!
Ónti dialétu (pontu)
Kriolu oji ( dos pontu)
Manhan língua (pont’y virgula)
Verdianu más manhan (ritisénsia)
Y verdianu pa tudu tenpu…
(Poema de K B)

UM PUEMA PA LORENSE

Lorense! Tont d’zê ke N d’ze
Porkauza de bô k’é kalod
Oiá! Tont escrita ke N eskrevê
Pamod bô ke ka ten kaneta

Oi tont espikassobe koraja
Tont intxíbe d’esperansa…
D’ze-m li Lorense!
Abri ma mi! Nôs é k’e nôs pá!
Kuaje amdjor ainda
É stóde sempre inkenhadin nun ága forte
Pa mund f’ka lá nun konte eskesside.

Dzid kma Váva eskreve y el d’zê
K’agora tava t’mód pa komemorá.
Nha fidje! Ah se assim fosse!
Diabe tava mandá rekode
k’onje da guarda armóde té na fukssin.
Oi ka tinha grôg nen bafa ke tava txegá.
Má inda du ke ta vale-m
É un koza k’un ten na ideia
K’un ka ta kontá pa ninguen
Nen pan ha fidje
Pa el ka f’ka k’un pezadele
Erdóde d’se pai.

Pensá se un dia
Ess pove kentá korpe k’un matim…
K’manê kes koza tava dizinrolá…
A bô imaginá dex plon ta kutxí
Y dex balói ta ravultia farele na vente
Pensá nha fidje !

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Post Pididu

Nhas 12 di meu:
1. Pilon
2.Son
3.Virason
4.Finasson
5. Violon
6.Tanboron
7. Kansson
8. Animasson
9.Feston
10. Maskadjon
11. Rabulisson
12.Palavron

Bilhete para Amanhã


Obs. A caricatura é do poeta-escritor Mel. Lopes

Amanhã comemora-se o Dia da Língua Materna e estarei aqui na primeira língua a divulgar o programa de actividades em que vou tomar parte, a convite da ACRIDES. No entanto, hoje, quis trazer ao conheimento geral estas palavras proferidas em Mindelo por ocasião do - CENTENÁRIO DE SERGIO FRUZONI. Afora as palavras iniciais, eis o que mais interessa.

Ao me curvar diante de sua memória, para, em sinal de reconhecimento, testemunhar o meu apreço pelo valor da sua obra que merece uma superior divulgação, para permitir aos mais novos conhecer o nome, o pensamento e as motivações daquele que no passado movido pelos ideais da liberdade e do progresso contribuiu de forma visível para o flutuar contínuo da bandeira secular da nossa verdianidade, deixo ficar esta voz santiaguêsa, especificamente de um Assomadense, diante da coragem deste peregrino que, seguro de si, assumiu o peso da sua cruz, crente na sê flor de béla sombra erguide e aberte pa luz e na ar fogóde, que, ainda hoje, pendula na linha do tempo.

Foi nos finais dos anos 60 que tive o privilégio de conhecer figuras importantes da sociedade mindelense, sobretudo, João Mariano, Dante Mariano, Manin Strela, Mario Matos, Evandro Matos, Nena d’ Farmácia, Nho Batista, Xikin L. Silva, Nho Balta, Nho Roke, Rendall Leite, Xiku Serra, Manel d’Novas, Frank Kavakin, Luis Morais, Morgadin, Txuff, Kardozin d’Kánbra, Sezária, Malakias, Karaka, Djak Monteiro etc. e o popular distinto Sérgio Fruzoni. Inicialmente, duas figuras cunharam e prenderam a minha amizade, João Mariano, poeta pouco referido entre nós, (omisso por excesso de zelo?) e Nho Baptista, a mão de ouro das sete afinações e grande instrumentista mindelense.

De seguida, interessei-me logo por aquele homem branco, crioulo, que tinha ares de contramestre a vigiar os avisos do tempo, o sopro do nordeste e das as marés que vazavam no convés de Mindelo, homem sedento do aconchego das suas gentes, cujas inquietudes, ele, a seu jeito, melhor do que ninguém, soube traduzir na sua poética pacifista, emprestando à sua escrita um estilo e um sentido de humor únicos, militando de modo simples, observando e arrumando os actos, os factos e os eventos, pincelando-os com naturalidade e acutilância, coisa que só um bom caçante de marés conseguia dar cor e estilo poéticos.

O ser um homem culto conferiu-lhe o respeito generalizado, em cuja revelia morava um ser “pupular distintu”, aliás, Mesquitela Lima no seu introdutório ao livro - A Poética de Sérgio Fruzoni – disse claramente: «Pode considerar-se Fruzoni um membro da 2ª classe, embora se desse com elementos da 1ª. Até eu próprio sair de Cabo Verde, em 1951, nunca vi o poeta numa festa ou reunião social da classe mais elevada». Este poema é elucidativo. Cito:
Quand um palavra sô tâ dzê tude côsa
Um dia Nh’Agusta Infermera desembarca ta bem de Lisboa,
luva, cartera, cabel caracolóde, cara pintóde, ta pscá confundi parcénça.
Um mdjer q’tava ta passá, pará ta spial, cabá el sucdí cabeça el dzê:
Nh’Agusta, nh’armom, PACIENÇA!…
«Paciénça» uma palavra para dizer «tude côsa» e que revela a grandeza e a dimensão espiritual do homem perspicaz que foi Sérgio. Todavia, resta-nos perguntar: Ao tempo, em quê cria Fruzoni com as suas produções literárias na língua da terra? Que tipo de nacionalismo estaria detrás dos rodeios dos seus versos? Que intenções asilavam as farpas que lançava em direcção a sociedade mindelense de então e à vaga de poetas e escritores claridosos ou não, que com ele pouco conviviam?

Tudo me diz que, se por um lado, Fruzoni vivia enterrado na sua Ilha natal e nos sentires dos que submetidos à dor do dar da vida e à sonolência do espernear cansado da esperança e ainda dos que se quedavam resignados na miragem da melhorança que tardava chegar, por outro lado, vivia intensamente a escrita na língua que muito amou e cultivou até o fim – o caboverdiano - variante mindelense, raramente praticado por outrem.

Pois, o celebrado poeta da voz solidária, Sérgio Fruzoni, mais não fez senão cumprir a «sina dos profetas», idos e vivos cujos nomes e feitos incorporam esta nossa teimosa viagem, porque, afinal, enquanto timoneiro fervoroso, ele, de pé, ainda existe no convés deste «naviu di pedra ta busca rumu sen pode atxa-l na si lugar», mas, em busca constante.
A estas rústicas palavras arrancadas à pressa das unhas encravadas deste observador do tempo, aditaria, para terminar, dizendo, que: Ségio Fruzoni é uma proa de luz crioula atracada ao cais flutuante da palavra no marco das ilhas.

Muito obrigado por esta bela oportunidade e pelo favor da vossa atenção.
Assomada-Cidade, 25 AGO 01
- Kaká Barbosa-

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Post Inédito


Fot. Kb - O foco que entrou pelo Cometa adentro, hoje, às 23:40
Saí num instante para comprar fósforo, quando, inesperadamente, aconteceu o que estão a ver. Um foco luminoso vindo de não se sabe onde, e com que intenção ninguém sabe. O que é certo aconteceu no Cometa. Será que o intruso perseguia um foco fêmea no meio da escuridão que a Ilétra já nos habitou estes dias? Quem sabe! Fiz a minha parte. Captei logo.

Post & Só POST



Fot enviado pelo amigo P.Duarte
Aí está. Confiar demais na sofisticação deu isto. Telemóvel+carregador+acessórios+ etc.

Post ku Luz Natural


Fot. Kb Rua di Kalhanda Bar-Restoranti
Ilétra podi kontinua ku si kabu rabentadu, mákina stragadu, ku boikoti y tudu más. Mi luz dja-n teni djâ. Na meiu di sukuru N átxa ês luz li, di grassa riba Txada Santantóni. Ka ten inpistada y kada zona djobe di sê-l. (Kb)

Post à Gutty Duarte


Este postal a mim enviado ilustra bem as andanças desta nova e boa intérprete criola nos States. Ela já esteve em shows em Pawtucket R.I. e em Boston Mass e agora está na Florida. Segundo os meus contactos os discos dela têm tido boa saída, quer dizer boa aceitação. De recordar que apoiei o seu lançamento como cantora com duas composições inéditas: Txon di Massapé y Resposta di D'zusper, esta última com mais de vinte anos de composição, título do disco.
RESPOSTA DI D'ZUSPER
Kel mizéria k'levób pa longe
V'ra luta pa konpo terra... bo terra
K'el d'zusper k'levób longo
V'ra ligria de voltób pa terra... bo terra
Faze floresse un terra novo
pensá bo 'jedà konstrui-l
Bo é ken ta fekundá
f''tur d'amanhan
Faze floresse un terra novo
Pensá bo 'jedá konstrui-l
Bo é ken ta fekundá
F'tur d'amanhan... d'amanhan
Pa un vida novo na el podê surgi
Nôs terra... Oh! Cab Verde
Bo suor y bo kansera
É moda txuva na txon... di bo terra
Armon ondê ke bo tiver
pensá na sirvi bo terra.... bo terra
(kaka Barboza)

Post Desnecessário

Mesmo com todas as letras Electra é sinónimo de escuridade

Mesmo sem todas as letras M é sinónimo de brilho

Bilhete de Assomada

O MITO DO GATO PRETO

Diziam os mais velhos que quem cruzasse no seu caminho com gato preto, coisa ruim acontecia com ele onde quer que fosse viver. Isto sabia eu desde os meus tempos de menino em que ouvíamos contar estórias na varanda dos Correios, do lado de cá da praça central de Assomada.
Lembro-me perfeitamente do nome da mulher, Nha Mina colola, que virou vesga por se ter cruzado a desoras com um gato preto, mesmo ao pé da sua casa. Ela vendia ciré no mercado, uma mistura parecida com café torrado moído, que as pessoas colocavam entre o lábio inferior e a gengiva.
Nha Maria Tita de Pedra Barro, a lavadeira da nossa casa, usava este produto. Quando vinha lavar a roupa, o quintal cimentado, em redor da tina, ficava manchado pelo cuspo pesado como se fosse bosta de bicho que se alimentava de lantuna. A minha mãe que também se chamava Maria, ficava furiosa, ralhava-se com ela por causa do quintal emporcalhado, mas a outra respondia sempre com aquela calamaria na voz: Nãão, Doona Mariiia, eu limpo tudinho, fica bonitinho como dantes, mesmo antes do Sr. Alberto chegar. Aí estava a patroa a replicar: mulher, não é isso que eu estou a dizer. Porque é que não põe um saco no chão ou um caixotinho de papelão com terra e deita a porcaria do cuspo, essa coisa feia, feita kokoróta de frigideira queimada, guardada na boca não sei há quanto tempo. Olha se isso continuar, não precisa de vir mais. Arranjo outra pessoa. Eram advertências enérgicas ante a mulher que não parava de bazar a mão na surradeira.
Ela, endireitando as costas lentamente, retomou a palavra: Dona Maria ciré virou vício para mim. Antes, não era. Pu-lo como resguardo. Olha, Dona Maria, já me encontrei com vários gatos pretos à noite no caminho de casa, graças a Deus, nunca aconteceu-me nada. Está tudo cortado. Sabe, o meu é rezado. Tenho uma oração que me foi confiada pelo meu padrinho, antigo sacristão que acompanhava sempre o senhor padre Rego, nas rezas. Ele tinha desses livros antigos com boas orações. Olha o que ele me ensinou: Grandi Santu pai dos padicidus, recomandai tudu anjos da guarda para mi guardai, acompanhai di dia di noiti y tudu hora qui Jesus padiceu na cruz, para esta coitada di Deus qui busca seu pão di cada dia em casa di gente. Guardai-mi o caminhu di casa saindu, vindu, entrandu deitandu na companhia de Santu nomi di São José guardador di seu rubanhu longi di fisgu di animal runhu y outrus animal fingindu amigu du homem. Ponha no meu caminhu sempri bons anju e bons santus prutetor das almas crente em Deus. Ponha no meu destinu di bai y di bem a pena das asa di pomba brancu do espíritu santu, em três pessoa di santíssimu trindadi. Amem.
Dona Maria, quando rezo, eu peço para o bem-estar de todo o mundo. E você é a minha patroa. Olha, pode-me dar uma moeda de dois tostões que vou no pilorinho faxi (depressa). Não vai durar muito. A minha mãe que conhecia bem as pedras do seu fogão e que curtia muito as peripécias da lavadeira, tirou da algibeira do avental uma moeda e alongou à mulher que largou nem codorniz espantado, vendo sequer direito a moeda que segurava entre os dedos. Vái, e mata todos os gatos pretos, mas não me emporcalhes o quintal, a frase da patroa teria ficado, talvez, pendurado nos gestos arrebatados da lavadeira sem mesmo chegar aos seus ouvidos. (Kb)

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

Bilhete Cafeinado

A RUA ONDE TUDO PODIA CALHAR
Era uma rua, de seu nome verdadeiro, Rua Capitão de Infantaria Engº António Monserrato de Lencastre Pinto Sousa, roteiro de um bairro novo, mandado construir pelo Governador da Província, Brigadeiro Dr. Antão Silvano da Boaventura Marques e Abreu, que foi inaugurada por ocasião dos quinhentos anos do achamento da ilha. Estas são as origens da rua que o povo, ignorando o laureado e seus feitos heróicos, lhe cascou o nome de Rua Pandonga.
Nho Pango marido de Nha Pandonga era jardineiro do palácio do governador. Na distribuição das casas coube-lhe a moradia que ficava á esquina onde a placa foi colocada. Ela estava bem posicionada. As laterais de duas janelinhas davam para um descampado. O futuro ditou a construção de mais casas em redor, restando um largosinho onde os meninos jogavam à bola. Tendo-se o homem reformado e para ajudar a casa, a mulher arrumou um tabuleiro onde havia fósforo, cigarros, drops, e uma tigela com pastéis. Não podendo ela continuar mais no ofício por causa da velhice, herdou-lhe a filha Donguinha Preta. Ela, inovando, em lugar de tabuleiro, montou um caixote feito mesa, onde punha o negócio, ao lado, quatro moxo (banquinhos de madeira), para os clientes. De pastéis, passou a fritar também miudezas de porco, e claro está, passou a vender mais, sabido que grogue puxa pelo bafíu e vice-versa.
Às dezoito horas, abria-se a esquina e fechava não havendo clientela. Era assim todos os dias. Ali, todos tinham uma cena para contar e, aquele que estontava, encostava-se à parede a falar corrido. Dizia-se de um fulano que, seguindo em direcção á casa, bracejava como se tivesse sido puxado por uma mão de fora; dum outro, acabado de tomar o último pingo ficou a espumar pela boca como se tivesse ingerido esfregão; dum outro ainda, que o cheiro do copo fê-lo cair seco russo, que nem água por cima o acordou. Amparou-lhe o hospital. Mesmo assim apareciam mais e mais clientes a visitarem a esquina. O grogue era bem servido e a bafa, cada vez mais barata.
Nho Lixo, cliente assíduo, quando puxado nela, falava sempre duma coisa redonda cheia de luz, presente no largo, com gente em fato-macaco laranja, visitando o local. Até o velho Nho Pango, contava de gente que viu homens fardados de branco, armados, seguindo no meio do breu em direcção à rua detrás. Enfim, muitas estórias e cenas incríveis eram contadas neste lugar, onde tudo podia calhar, sem que alguma vez deu-se pela falta do latir dos cães vizinhos, enquanto que a vendeira, ciente do seu negócio, diariamente, mal o sol se punha arrumava a esquina, para mais uma noitada. (KB)

domingo, 17 de fevereiro de 2008

Bilhete Inesperado



O meu estado gripal não me tirou da menina do olho o artigo de Antoní Tápies postado no Ala Marginal do amigo xatiadu si Abrão Vicente. Porque é um Domingo inguissadu si, não sendo hora de escrita porque os grilos ressonam, entre olhos encharcados e mãos segurando a toalha, esta nota arrancada do pecado capital, relendo João Branco do café forte sem açúcar. É assim:
Em Santa Catarina os donos das terras, os morgados, marcavam o dia certo para o pagamento das rendas de propriedade. A não observância penalizava seriamente o faltoso. O diabo é que para dentro da cerca (muro de vedação) onde se situava o telhal (casa do proprietário) só entrava gente de casaco e boné e como nem todos possuíam a vestimenta completa, um cedia o outro e, assim, todos se mostravam à maneira.
Havia um lavrador chamado Ntóni di Dunda, que semeava cinco litros de sementeira, e tinha uma renda anual de 420$00 para o uso da terra। Tirar lenha, colher o fruto da sementeira ou da horta, o tributo era outro। Findo o prazo dado, ele apareceu para entregar o valor e sem casaco nenhum। De óculos levantados, o morgado pô-lo fora sem mais quê. Não é que surgiu o inesperado. O rendeiro olhou para ele como um djaki (boi) novo, tirou da algibeira 300$00 bateu rijo em cima da mesinha, dizendo-lhe: 120$00 estão aí no quintal à sua espera. Não serviram de nada os gritos do patrão a chamar pelo zelador da propriedade que segurava uma corda atada ao chifre duma tchibarra magrinha por falta de pasto. Daí em diante Ntóni di Dunda passou a ser conhecido por Ntóni Soldadu, (pretu ki dizafia branku dentu si kaza) o preto que desafiou o branco em sua própria casa. Kb

sábado, 16 de fevereiro de 2008

Bilhete do Interior

PICOS, UM ALTAR DE DONAIRE

Para cá da Cruz dos Picos, estende-se o rugoso território da Freguesia de São Salvador do Mundo cujo centro é em Achada Igreja, zona vizinha de Achada Leitão, sítio que deu nome à oficina de fundição e de reparação de peças, de utensílios domésticos e agrícolas, sendo “Nguli Lansa” o simbólico busto rochoso desta bonita freguesia, que já foi sede do concelho de Santa Catarina. A região dos Picos é muito acidentada, por conseguinte, matriz de vários leitos onde as águas pluviais fizeram as ribeiras mãe das férteis e bonitas várzeas de Santa Cruz, por sinal Concelho também vizinho, como o é Santa Catarina.
Nho São Salvador do Mundo é o santo padroeiro da freguesia do mesmo nome. O centro é a Vila de Achada Igreja, onde se levanta a majestosa igreja católica, apreciada de qualquer das vias que unem os diversos pontos do concelho. O dia deste Santo Nome é, desde sempre, das maiores festas religiosas do interior de Santiago. Gente de todas as camadas sociais e populares das mais diversas localidades da Ilha marcavam a sua presença em sinal de devoção e de respeito pela crença que os mais antigos lhes deixaram.
As festas eram mesmo populares já que o povo era quem as promoviam. Uns vinham dar acção de graças ao Senhor do Mundo, enquanto que outros vinham pagar as suas promessas e agradecer o Santo Salvador pelo resultado das colheitas, trazendo ofertas em géneros, aves e pequenos animais, depois leiloados pelos paroquianos. Picos – Achada Igreja - enquanto terra de boa gente, de abundância da água e de boas colheitas, era muito afamada. No entanto, registaram-se mudanças, afectando bastante as festas, alterando não só o sentido delas mas também a forma de participação das pessoas incluindo nas práticas religiosas. Assim, os festejos, privados de certos costumes e hábitos antigos que os distinguiam, passaram a ser mais de carácter oficioso com o planejado a anular o espontâneo, com o calculado a merecer a avaliação dos resultados alcançados.
Picos era um altar onde as festas simbolizavam uma espécie de romagem de exaltação aos ritos e às tradições antigas, onde o colorido das vestimentas tradicionais tonificava a paisagem, onde a música animava os espaços em finca-pés (barraca tradicional) em noites dançantes, incitando os naturais e os visitantes a irmanarem-se no prazer e na glória dos festejos, amalgamando-se livres dos embaraços.
A música de salão era produzida pelos instrumentos de corda e clarinete comandada por Cesáreo Boca ou Manuel Clarinete e no nacional, (baile popular) por bons tocadores de gaita e ferrinho, enquanto que nas tabernas e barracas improvisadas havia comida, bebida, friginato e iguarias, autênticos lastros que incendiavam a sabura do povo que mais não ansiava senão cumprir e fazer do terreiro o local de vida vivida e de revitalização da alma nativa.
As gentes dos Picos gozavam de muito prestígio. Este atributo herdado do antigamente gerou nelas o hábito de não serem pedinchões. Nomes como Joaquim Ribeiro, Joaquim Correia, Djonsinho Cabral, Orlando Brito, Belo Freire (comerciante) entre outros, são nomes que marcaram a vida e a história desta região. Picos, terra de gente virtuosa e laboriosa, mas também do grande mestre de serralharia, Djonzinho Cabral, pessoa famosa dentro e fora da freguesia, importante proprietário de terras, e dono de bons conhecimentos técnicos, criador da célebre oficina de Txada Liton, onde se fazia a reparação de utensílios domésticos e de lavoura, a recuperação de peças de carro, a armação de tachos e de alambiques, a fundição de peças de trapiches, a composição ou a recomposição de armas de fogo etc., serviços solicitados por pessoas de todos os quadrantes da sociedade santiaguense da época.
A oficina era uma autêntica escola de artes e ofícios onde a fundição, mecânica e a serralharia eram disciplinas obrigatórias, onde se aprendia a lidar com o carvão de pedra, a forja, a solda e se conhecia o teor dos metais, instruindo e deixando muitas pessoas aptas neste domínio. Ferramentas e outros utensílios que serviam o campo como pesos e medidas, facas, maxins, enxadas, funis, tachos, cunhos, alavancas, martelos de pedreiro, colheres de cal, ponteiros, dobradiças, etc. etc, eram ali produzidos e com boa qualidade.
Picos é também terra de bons professores, de alunos aplicados, de bons pais e encarregados de educação. O número de imigrantes é reduzido, o que denota haver muito apego à terra de seus avós. Vem sendo notório o aumento de salvadorenhos com formação média e superior em diversas áreas. Tem uma juventude dinâmica e ambiciosa, e muitos trabalham na tecelagem e na agricultura e criação de gado.
Apesar de ser um concelho ainda carente de investimentos há sinais de que os novos tempos trarão outras vantagens para os seus habitantes. Hoje em dia os tempos e os festejos são realmente outros, contudo as festas são ainda marcantes e muito participadas, com conteúdos não de menor interesse, como sejam as actuações desportivas, recreativas, musicais, ao lado de exposições de obras de arte, da restauração e do turismo de aldeia, domínios que contêm riquezas ainda por explorar.
São Salvador do Mundo é Município, é ambição, é futuro. Picos é um inegável Altar de Donaire.
Kaka Barboza

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

Bilhete de Fevereiro

Postal fornecido pelo Sr. Gugle
Durante o tempo em que eu vivi em São Vicente verifiquei o que ainda hoje persiste na mente de muitos dos residentes nas ilhas de Barlavento, exceptuando os que vivem nesta cidade ou em Santiago, que acabaram por corrigir a linguagem senão a inércia. Aqueles outros, ainda entendem e dizem Praia Ilha em vez de Ilha de Santiago, se as bananas, as verduras, são produzidas e exportadas directamente do concelho de Santa Cruz via o porto da Praia. Diz-se banana da Praia, e muitas outras coisas são tidas como sendo da Praia, quando realmente não são. Por exemplo o Abrão Vicente, o Djinho Barbosa, a Zau são de Santa Catarina (pelos a mim afirmou isso). Talvez a força e o peso da administração central desde o tempo colonial ditou este entendimento.
Você é da Praia?
A pergunta já me foi dirigida em São Vicente, Santo Antão e São Nicolau.
- Não! Sou de Santa Catarina!
- Ondê k’el ta f’ká? (Onde é que fica?)
- Na Santiago.
- Como! Não é na Praia?
- Não a minha Ilha tem nove concelhos. Se fizermos as contas tem nove São Vicente ou nove Brava lá dentro (concelhos). Uma pessoa não consegue conhecer todos os lugares em menos de uma semana. Já viu como é grande, a ilha! As gentes do Tarrafal raras vezes vêm à Praia.
- Nunca nos ensinaram isso.
- Mas está nos livros de escola!
- O professor não fala nestas coisas. E não se ouve ninguém explicar isso. Ficamos com aquilo que se diz aqui e acolá pelas pessoas que sabem melhor do que nós.
Aí esta. Se recordarem a frase plagiada pelo café margoso, hão chegar onde quero com isto dizer. Apesar disso tudo, eu acho que não há ou se existe é um esforço mínimo, para se sair dos nossos fundões, para alargarmos o conhecimento sobre as coisas da nossa terra, dando conta, afinal, da sua extensa realidade física e humana.
Tenho esperanças que as novas gerações portadoras de um maior sentido de descoberta serão capazes de agir no sentido de debelar alguns vazios que constituem verdadeiros défices de relações inter-ilhas, para se dar a tal “multiculturalidade na diversidade” que propõe o Djaroz onde as experiências de cada grupo humano positivam e fertilizam o saber que os professores e os pais não conseguem proporcionar aos seus alunos e filhos.
Hoje, os festivais, os Carnavais, os jogos escolares, os ateliers de formação, os desportos e outros intercâmbios, são arenas onde as ilhas podem-se reunir como forma de propiciar aos participantes uma verdadeira consolidação do conhecimento da nossa diversidade fisica e cultural.
A acontecer a verdadeira descentralização política, administrativa e económica, certas questões que derivam da percepção de que é a Praia a decidir ou a mandar em tudo ficarão remotas.
Assim sendo, Praia, é capital da república e Santiago ilha como as outras.

Post Xatiadu si



Fot. Kb. O camponês das ilhas retratado em barro

DIZABAFU

Pa Dr. Azágua
Karafu – nhafu! Nho!
Dondágu…
É fidju flor d’Ibyágu

Karafu – nhafu! Nho!

Dágu é ka krítxa léndia
Dedon ta da kontron.
É dissona son di pilon.
Karafu-nhafu! Nho!

KBarboza

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Bilhete Virtual



De Inhambane - Moçambique, o amigo e poeta Guita Junior enviou-me este belo texto que faço questão de inserir nesta página. Obrigado Guita.


Pedi um filé de salmão com alcaparras na manteiga, uma salada e um suco de laranja, pois afinal de contas fome é fome, mas regime é regime, né? Abri meu notebook e levei um susto com aquela voz baixinha atrás de mim:
-Tio dá um trocado?
- Não tenho, menino.
- Só uma moedinha para comprar um pão.
- Está bem, compro um para você.
Para variar, minha caixa de entrada estava lotada de e-mails. Fico distraído, vendo poesias, as formatações lindas, dando risadas com as piadas malucas. Ah! Essa música me leva a Londres e a boas lembranças de tempos idos.
- Tio, pede para colocar margarina e queijo também?
Percebo que o menino tinha ficado ali.
- OK, mas depois me deixe trabalhar, pois estou muito ocupado, tá?
Chega a minha refeição e junto com ela o meu constrangimento. Faço o pedido do menino, e o garçon me pergunta se quero que mande o garoto ir. Meus resquícios de consciência me impedem de dizer. Digo que está tudo bem.
- Deixe-o ficar. Traga o pão e mais uma refeição decente para ele.
Então o menino se sentou à minha frente e perguntou:
Tio, o que está fazendo?
- Estou lendo uns e-mails.
- O que são e-mails?
- São mensagens electrónicas mandadas por pessoas via Internet.
Sabia que ele não iria entender nada, mas a título de livrar-me de maiores questionários disse:
- É como se fosse uma carta, só que via Internet.
- Tio, você tem Internet?
- Tenho sim, é essencial no mundo de hoje.
- O que é Internet, tio?
- É um local no computador onde podemos ver e ouvir muitas coisas, notícias, músicas, conhecer pessoas, ler, escrever, sonhar, trabalhar, aprender. Tem tudo no mundo virtual.
- E o que é virtual, tio?
Resolvo dar uma explicação simplificada, novamente na certeza que ele pouco vai entender e vai me liberar para comer minha refeição, sem culpas.
- Virtual é um local que imaginamos, algo que não podemos pegar, tocar. É lá que criamos um monte de coisas que gostaríamos de fazer. Criamos nossas fantasias, transformamos o mundo em quase como queríamos que fosse.
- Legal isso. Gostei!
- Mocinho, você entendeu o que é virtual?
- Sim, tio, eu também vivo neste mundo virtual.
- Você tem computador?
- Não, mas meu mundo também é desse jeito... Virtual. Minha mãe fica todo dia fora, só chega muito tarde, quase não a vejo. Eu fico cuidando do meu irmão pequeno que vive chorando de fome, e eu dou água para ele pensar que é sopa. Minha irmã mais velha sai todo dia, diz que vai vender o corpo, mas eu não entendo, pois ela sempre volta com o corpo. Meu pai está na cadeia há muito tempo. Mas sempre imagino nossa família toda junta em casa, muita comida, muitos brinquedos de Natal, e eu indo ao colégio para virar médico um dia.
Isto não é virtual, tio?
Fechei meu notebook, não antes que as lágrimas caíssem sobre o teclado.
Esperei que o menino terminasse de literalmente 'devorar' o prato dele, paguei a conta e dei o troco para o garoto, que me retribuiu com um dos mais belos e sinceros sorrisos que eu já recebi na vida, e com um 'Brigado tio, você é legal!. Ali, naquele instante, tive a maior prova do virtualismo insensato em que vivemos todos os dias, enquanto a realidade cruel rodeia de verdade, e fazemos de conta que não percebemos!

Post di Emergênsia


Fot. Kb - Seu di Praia ó ki Electra fika sen pé di letra

SondiSantiagu cahamou á ATENÇÃO SondiViraSon. Fui Riba Praia na sukuro ver a avenida. Hoje, agora, neste momento, com a panela no lume a minha Xúxa fémia veio ca ter... e pronto... o poema à cidade, à nossa cidade da Praia, malquerida e bem querida, rafilona, má raskoa, não presta, má boa ki nu ka ta sta sen el. Diáxi, Lenbra-m Xandu Grasioza.


DJA-N KREBU Ó CIDADE

Hoje a noite é tua, unicamente tua.
Sigo as rugas íntimas da tua idade
Macios os pés, corpo, rosto, alma.
Cobiçosos os lábios e os mamilos.

Hoje é noite tua, menina do mar.
É praia a curvatura do amanhecer
No gesto novo do sol no asfalto.
Leitosa era a sombra das acácias.

Hoje é noite tua, minha namorada.
Quero a tua língua doce de raia
Para a ternura do meu rijo djátu
Dja-m krebu…eu te amo, ó cidade.

Kaka Barboza 14.02.08

Post Patriótico


Aí está - um homem de culturrra e paterrriota

Significado de Patriotismo: Qualidade de Patriota, amor a Pátria.
= Ser Patriota é não ficar na esquina ou em cima do muro, é participar, exigir os direitos de cidadão.
= Ser Patriota é ser unido em todos os aspectos e não somente em dias de festas e comícios.
= Ser Patriota é amar seu País como ama seus próprios filhos, gatos, cães e outros animais domésticos de estimação.
= Ser Patriota é cobrar, das autoridades governantes a cuidarem bem do País, da sua gestão e do que prometem.
= Ser Patriota é participar com sua comunidade em tudo que pode melhorar a qualidade de vida dos cidadãos, das plantas e dos animais, enfim, da natureza.
= Ser patriota é ser solidário com todos, não viloar os menores de idade e não excluir ninguém.
= Ser patriota é compartilhar, ajudar, defender os pobres e oprimidos, e não apenas desviar os olhos, para fingir que se é povo quando lhe convém.
= Ser patriota é a união plena de todos por um e um por todos e nunca pancadear a mulher e os filhos.
= Ser Patriota é a razão de se viver bem, em um País livre de preconceitos, ter o coração puro e a mente aberta, para aceitar as diferenças, as críticas, incluindo as brincadeiras de mau gosto.
= Ser Patriota é conseguir enxergar que o dinheiro pode muito bem ficar para segundo plano depois de se pagar os impostos, a renda, a loja, os bancos, as cotas, os gastos da casa e as prendas para os entes queridos.
= Ser patriota é respeitar seus irmãos, os mais velhos e as crianças, aprender com eles, trabalhar sempre pensando no melhor para sua cidade, seu País, e ter uma atitude pro-activa,.
= Ser Patriota é a razão social do bicho homem viver bem com todos seus irmãos sejam eles animais irracionais ou racionais, ignorando a aparência externa, valorizando o conhecimento de cada um, priorizando a alma, e o ambiente saudável.
= Ser Patriota significa, povo de cultura, progresso, visão, felicidade, paz interna, saúde, segurança, dignidade, esperança de um futuro garantido, sem fofocas, sem lamúrias, sem rodidjus, em falar claro diante de seja ele quem for, políticos, bispos, padres, mulher, filhos, amigos, compadres, sócios, condiscípulos, namorados, alunos, professores, polícias, juízes, médicos, jagúncios, pobres, abastados, sérios, indecisos, recenseados, não resenceados, apartidários, adversários, doentes, defuntos……. djan kánsa…..

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Post di Mé Divera


N KA PUR SI

Dja-m krebu, dja-m krebu
Dja-m krebu fidju fémia
Dexa-m dizabri ku bó
Pa-m da konta di nha nobu

Kel poku ki terra dâ
N trabadja N djunta di meu
Lisbueta ka inveja-m
Olandês ka fika-m di riba

Ay! Ay! Fidju fémia
Mi N ka bai Lisboa
Mi N ka bai olanda
Ma mi N ka pur si

N ta fazebu sinhorinha
Na midida bu dizeju
Faka txutxa ponta margura
Na bainha mon di si donu.
- Letra y Muzika di Kb -

Bilhete Korasson na Mon










Antigamente, "três pé di banana tunga, ponta di kadidju, ganxu, lenssinhu di bordadu" ou "fatxu-l kabelu" eram ofertas amorosas sublimes que aconteciam em Santiago, particularmente no interior, entre um roskon e a sua prifirida-xaguada-raskoa e, deveras, não sei se tal tem a ver com São Valentim?
Todavia, reparem a letra do batuku ”Balantin” … Ó Balantin, oioi ioi ioi /Dundi bu bem, oioi ioi ioi/ kuzé bu traze-m etc., pode ser que diga algo.

Não será que os lenços senhoris, adaptados depois pelas mulheres do povo, vieram a possuir um valor popular distinto, juntamente com outras coisas, para selar a promessa entre namorados? De notar que, ainda, os lenços fazem parte do trajo feminino das ilhas e têm uma função não só decorativa mas também de respeito da mulher por si própria. São geralmente quadrados, de algodão ou seda, bordados, lisos ou ramagens, segundo os gostos de cada pessoa.

Há lenços e lencinhos e, neste caso, falar enquanto parte do trajo feminino interessa menos, analisamos, pois, uma outra função, não menos importante, que tem a ver com o sinal de compromisso de amor entre namorados. A moça, quando estava próximo da idade de arranjar namoro, passava a usar lenço na cabeça, obtido na loja, e o lencinho vindo das bordadeiras que aprendiam nos centros paroquiais ou em casa das irmãs de caridade. Eram em pano de popelina fina vendida a quem os solicitasse.

Os homens usavam o lenço de bolso (lencinho di tabaku) ou (lencinhu nos tudu), ambos de uso diário e (lencinho di ta bai) o lenço fino de cor branca, usado em cerimónias marcantes.
O lencinhu bordado, sim que obtido, ia ter às mãos do "namorado" e a atitude deste de usá-lo publicamente ou não, é que decidia a confirmação da palavra, ou seja da ligação amorosa. Estas peças ofertadas carregavam consigo, por isso, os sentimentos amorosos de ambos, revelados através de vários atributos como a fidelidade, a dedicação, a amizade, etc.

As mudanças operadas ao longo dos anos, em todo o lado, alteraram radicalmente o que era facto real carregado de espírito e sensualismo, dando lugar a um acto trivial, com o modernismo a ditar as suas regras, porém, tal-qualmente antes, continua o homem e a mulher condenados a apaixonarem-se e a amarem-se ardentemente.

Com efeito, se o que as butikes especializadas contemplam aos enamorados de verdade; se a propaganda em torno do Santo auxilia e favorece o amor; e se verídico for o poder da magia das cores – vermelho, branco, rosa etc. - e com elas as motivações invocadas, se tudo isso excede o valor e a distinção que tinham as antigas maneiras, sim, senhor, aceito o sumiço delas, para a pele da memória, desde que o côro não seja fatela.
Eis, uns dizeres de gosto popular dedicados ao dia:

AYAN FIDJU FÉMIA

Á! xareta xaretinha mimoza
Xaguada koa-raskoa prifirida
Ta lorondia pirsigidu
Na purfumu d’água xêru

Á! bunina flor di lantuna
Rostu pion korpu bága-bága
Bo é di luxu luxarenta
Disizu na sonbra nha kudar
Kuzas ki éraba bá na bó ti ki pára
Más di ki si djâ
kel podi ka odjadu

Fórti krêbu é sabi saburadu
Un vistu ravistadu atxadu
Sima loru na palmu pustadu
Sima sor kansadu dun regu
Sima óbu kurtinis ngatxadu
Lonji físgu-l gatu séra

Bu konprimisu é nha krensa
Na nha xintidu tistimunhadu
Na korpu dun ganxu oferesedu
Ô na nó ponta di un kadidju
Na dedu fetu gran fitxadu.
(In Konfisson na Finata) KB

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Bilhete Rescaldante















Rescaldos do Carnaval Praiano de 2008

Os feriados são dias bestiais para quem souber programá-los com antecedência. É das melhores coisas deste mundo. São dias consagrados ao descanso, ao pijama, ao fato de treino, à passeata, à praia, a afazeres domésticos, aos cafés/restaurantes e gelatarias, ao abripititi, (receoso boto leitura, Net e compor) enfim, mais do que ninguém neste planeta, o santiaguês consegue imaginar éne hipóteses para estes dias.

É só sair de manhã e ver pelotões de todos os sexos a rodarem no calçadão, amigos e vizinhos inteiros de fato de treino no seu favorito três km e meio, para garantir a forma de uns, outros (as) derretendo “tui” inimigo ao direito a um corpinho romântico.

Confesso que me interrogo bastante em relação às modas actuais. Se por um lado acho pena que, aqui, é moda mascarar-se todos os dias, (muito poucos se desmascaram pelo Carnaval), por outro tive grandes alegrias em topar que pelo Carnaval as meninas do povo são mais lindas desmascaradas do que as que de “feixon” em riste, mascarando todos os dias.

Falando em desmascarar no Carnaval, faltante, é de facto a coadjuvação das nossas kokeluxes e Kopu leti da capital a abanarem-se ao som da batucada na avenida, amalgamando-se, humedecidas, juntamente com os foliões.

Acaba por ser competente celebrar apaixonadamente a sabura do Carnaval e fartura das Cinzas.
O Carnaval deste ano foi muito mais rico, curioso, engraçado e tradicional. Não é que um cortês cão-cidadão-solitário, desfilou ao som de trompetes, tambor e búzios, sem pressas, aí toda a gente curtiu, jamais perturbado pela agitação e risada dos presentes.

Confesso que gostei mais deste Carnaval do que os anteriores. O Carnaval da Praia é Nháku. É um brincar desregrando no máximo o normal, e Cinzas é comer fora do normal. Como è fixe normalizar o anormal. Aconteceu. Praia teve pinta. Bem longe dos custos astronómicos ficou. Aqui os cenários fundiam-se com nós mesmos. Espectáculo. Foi Nhaku ver Animadores, Câmara Municipal, Parabólica, Boeing 747, Memorial ao Emigrante, Bandeira da Independência, Jorro de Água, Trapiche, Garrafão de Grogue, Reis e Rainhas apeados no meio do grande público, curtindo aí como mandam as regras. Háku sábi! Bali, ben baledu.

Não sei mais o que poderia ter sido dito do Carnaval Praiense se Afro-Abel-Djassy foi o premiado. Sem saber se implicâncias secretas não tiveram o meu artigo junto dos jurados, e ansioso fico pela desmascaração..... talvez, no ano vindouro.
Se houve ou não Carnaval para todos os gostos, saberemos em 2009 neste mesmo espaço.

Depoimento

LANÇAMENTO DA ANTOLOGIA CABO VERDE PROSA LITERÁRIA PÓS-INDEPENDÊNCIA DEPOIMENTO     Caro confrade Jorge Carlos Fonseca, poeta...