quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Bilhete Korasson na Mon










Antigamente, "três pé di banana tunga, ponta di kadidju, ganxu, lenssinhu di bordadu" ou "fatxu-l kabelu" eram ofertas amorosas sublimes que aconteciam em Santiago, particularmente no interior, entre um roskon e a sua prifirida-xaguada-raskoa e, deveras, não sei se tal tem a ver com São Valentim?
Todavia, reparem a letra do batuku ”Balantin” … Ó Balantin, oioi ioi ioi /Dundi bu bem, oioi ioi ioi/ kuzé bu traze-m etc., pode ser que diga algo.

Não será que os lenços senhoris, adaptados depois pelas mulheres do povo, vieram a possuir um valor popular distinto, juntamente com outras coisas, para selar a promessa entre namorados? De notar que, ainda, os lenços fazem parte do trajo feminino das ilhas e têm uma função não só decorativa mas também de respeito da mulher por si própria. São geralmente quadrados, de algodão ou seda, bordados, lisos ou ramagens, segundo os gostos de cada pessoa.

Há lenços e lencinhos e, neste caso, falar enquanto parte do trajo feminino interessa menos, analisamos, pois, uma outra função, não menos importante, que tem a ver com o sinal de compromisso de amor entre namorados. A moça, quando estava próximo da idade de arranjar namoro, passava a usar lenço na cabeça, obtido na loja, e o lencinho vindo das bordadeiras que aprendiam nos centros paroquiais ou em casa das irmãs de caridade. Eram em pano de popelina fina vendida a quem os solicitasse.

Os homens usavam o lenço de bolso (lencinho di tabaku) ou (lencinhu nos tudu), ambos de uso diário e (lencinho di ta bai) o lenço fino de cor branca, usado em cerimónias marcantes.
O lencinhu bordado, sim que obtido, ia ter às mãos do "namorado" e a atitude deste de usá-lo publicamente ou não, é que decidia a confirmação da palavra, ou seja da ligação amorosa. Estas peças ofertadas carregavam consigo, por isso, os sentimentos amorosos de ambos, revelados através de vários atributos como a fidelidade, a dedicação, a amizade, etc.

As mudanças operadas ao longo dos anos, em todo o lado, alteraram radicalmente o que era facto real carregado de espírito e sensualismo, dando lugar a um acto trivial, com o modernismo a ditar as suas regras, porém, tal-qualmente antes, continua o homem e a mulher condenados a apaixonarem-se e a amarem-se ardentemente.

Com efeito, se o que as butikes especializadas contemplam aos enamorados de verdade; se a propaganda em torno do Santo auxilia e favorece o amor; e se verídico for o poder da magia das cores – vermelho, branco, rosa etc. - e com elas as motivações invocadas, se tudo isso excede o valor e a distinção que tinham as antigas maneiras, sim, senhor, aceito o sumiço delas, para a pele da memória, desde que o côro não seja fatela.
Eis, uns dizeres de gosto popular dedicados ao dia:

AYAN FIDJU FÉMIA

Á! xareta xaretinha mimoza
Xaguada koa-raskoa prifirida
Ta lorondia pirsigidu
Na purfumu d’água xêru

Á! bunina flor di lantuna
Rostu pion korpu bága-bága
Bo é di luxu luxarenta
Disizu na sonbra nha kudar
Kuzas ki éraba bá na bó ti ki pára
Más di ki si djâ
kel podi ka odjadu

Fórti krêbu é sabi saburadu
Un vistu ravistadu atxadu
Sima loru na palmu pustadu
Sima sor kansadu dun regu
Sima óbu kurtinis ngatxadu
Lonji físgu-l gatu séra

Bu konprimisu é nha krensa
Na nha xintidu tistimunhadu
Na korpu dun ganxu oferesedu
Ô na nó ponta di un kadidju
Na dedu fetu gran fitxadu.
(In Konfisson na Finata) KB

5 comentários:

Anónimo disse...

Olá Kaká

Gostei muito do post e pude aprender um pouco mais sobre as tradições de Santiago. Essa dos lencinhos fez me lembrar de algo parecido na tradição minhota - Portugal. É que lá tb havia a tradição da dar lencinhos ou melhor, o "Lenço dos Namorados -
São pequenos quadrados de pano bordados, carregados de simbolismo, que eram oferecidos ao namorado pela rapariga que os bordava. isto porém só acontecia quando o namoro ia já adiantado e o amor era firme. Esta oferta comprometia o rapaz, que o usava enrolado ao pescoço, a não se dirigir a qualquer outra rapariga". Daqui: http://delgrande.blogspot.com/2007/07/artesanato-de-barcelos-portugal.html) Quem sabe se não é essa a origem da tradição cá em CV? Achei engraçado... Carla

Anónimo disse...

Ola visitante de longe
Carla>Carlos que bela parceria!
Obrigado pela delicadeza dos comentários. Sim, como sabe em CaboVerde estiveram portugueses, açorianos e madeirenses, calculo alguns do norte. As irmãs de caridade e alguns padres eram do norte. Via-se pelo sotaque. Também vi que há coisas em comum entre os nossos povos. Reitero os agradecimentos e registei o seu Blog e passamos a lermo-nos.
Tude de bem para si e para os seus. Um blogabeaço Kaka Barboza

Eurídice disse...

Olá KB

Tirei uns bons minutos para ver o que os/as blogueiros/as berdianos/as escreveram sobre o amor, nesta época de beijinhos e abraços. Gosto das histórias de amor! Por isso, parei aqui no “Son di Virason” para ler sobre os namoricos com sabor de antigamente!

O KB chamou a minha atenção para as mudanças registadas relativamente à forma de declarar o amor. Confesso que não tinha conhecimento dessa estória do lensinhu. Engraçado! Hoje, com a fugacidade dos dias, tudo parece que se acelera como se a vida acabasse amanhã…

Bom, no meu caso particular, sinto falta de alguns gestos que são considerados antiquados: receber uma carta de amor, um poema, um bilhetinho, uma serenata… Sinto falta daquelas cartas rabiscadas com o coração pelas mãos, daquelas frases escritas com todo carinho e receio de magoar a pessoa amada… Infelizmente, tenho que me contentar com os emails, as flores nas conversas no msn, os sms fofinhos.

Para provocar, volto a repetir: acho que já não se fazem homens como antigamente!

Abraços
Eury

Anónimo disse...

Obrigado pela leitura.
Olá Eury. Há dias eu repeti que homem é aquele que tem espírito dentro dele. Amor, amiga, é coisa para ser sentida e não para ser entendida, os meus são todos poemas de amor, e assim vou continuar. Tenho muita coisa bonita para postar sobre o amor.
1blogabraço. kb

Olá Djoy,Amado tudu é fitisseru.
N gosta di bu apressiasson. Mi ku bó nu tene cabra na purga. 1 abração Kb

Anónimo disse...

Olá Kaká

O meu blog já consta da tua lista. É o amantedarosa.blogspot.com

Não sou nem estou em PT.

Passo por cá sempre. :) Carla

Textos Exilados

POEMAS DA COLETÂNEA - TERRA DILECTA  - CAMINHOS CANTANTES -  NÃO PUBLICADOS 1 Julho de remotos Julhos. Cíclicos Julho...