domingo, 13 de abril de 2008

O Cantor de Pombal Venceu


Nhonhô Hopffer venceu uma nova etapa ao se lançar em público cantando o disco Nhara Santiago que já vai na segunda edição. Venceu porque os amigos e convidados compareceram em massa enchendo completamente a sala do Auditório Jorge Barbosa. Venceu porque cantou com humildade, como se estivesse numa tocatina em sua casa rodiada de amigos, venceu porque soube estar consigo próprio em palco, diante de um público apoiante.
O cantor de Pombal venceu porque realizou o seu sonho. Digo-te, sinceramente, valeu a pena, pois, o investimento que fizeste e o empenhamento que puseste neste projecto.
Agora, sou eu a dizer-te... Viva a música. Kb

Lindo, lindo é sempre


Esta menina do meu bairro, esta moça da minha amizade, esta linda mulher e de linda maneira, de linda voz e de linda carreira, tornou o mundo crioulo mais lindo e mais querido. Segura, segura bem o trofeu da música que o Peregrino há-de cavar o Sol em Si para te dar a cantar os seus improvisos. Vai o meu e o abraço de nós todos daqui do Txon di Massapé. Kb

quarta-feira, 9 de abril de 2008

O Cantor de Pombal

NhoNho Óffer é daquelas criaturas que gosta imenso e curte as coisas belas da vida.
O melhor não podia ele escolher... ser arquitecto e cantor.
Um grande contributo deu à nossa doiscografia.
Um dos bons discos de de 2007.

terça-feira, 8 de abril de 2008

O Principe dos Picos


Há praticamente um ano que este veterano de Santiago, mais concretamente este querido filho e amigo dos Picos inaugurava frente à sua casa, a rua com o seu nome - Rua Orlando Loff Brito.





Na altura disse-me: «Este rapazinho (João Batista Pereira) vai longe.
Ele é inteligente e muito cordial. Muito trabalhador também».



Orlando Brito, Principe dos Picos como eu o chamava, morreu com festas de São Savador do Mundo à Porta. Diz o ditado popular que: «gente que morre em dia de festa amanhece na glória». Contemporâneo do meu falecido pai, Orlando Brito, era natural dos Picos, ilha de Santiago, onde ele criou amizades e deixou marcas inapagáveis. Em sinal de reconhecimento o município atribuiu a uma longa e bonita rua o seu nome. Finda a inauguração ele convidou-nos a entrar, para o lanchezito que tinha mandado preparar (café, pasteis de milho, carne de porco assada, linguiça da terra e um groguezinho). «Gosto de oferecer coisas, pequenas prendas às pessoas». «Antigamente eu vinha mais vezes. Não passava os fins de semana na Praia. Era Picos. Os meus amigos sabiam disso e vinham cá ter. Domiam e voltavam no dia seguinte. O teu pai Bebeto, o Táta Lubrano, esses vinham sempre». Ele gostava e adorava as coisas belas da vida.
Achada Igreja, Picos e Assomada e Santa Catarina, nós todos te louvamos e dizemos-te adeus.

segunda-feira, 7 de abril de 2008

O Casal Alves Em Festa

Foi assim que os filhos prepararem a festa do casal que faz anos no mesmo dia - 6-4-08. Foi neste mesmo dia que há cinquenta e cinco anos chegou à Praia o pedreiro violinista, fundador do grupo musical Pai&Filhos, sendo os filhos todos músicos. Morador antigo da Achada Stº António que tem muitas e muitas histórias para contar. Fez ontem 83 anos e toca com a mesma arcada de sempre. Foi muito bonita a festa que contou com muitos familiares e amigos do casal.


















sexta-feira, 4 de abril de 2008

Ensaio Nº 4


Lá naquele ponto gordo no centro da ilha é Assomada, antigamente, Pilorinho para os nativos, a praça da minha infância e juventude. Ninguém armado em pacifista deve pretender ser mais pacífico e ordeiro que os santacatarinenses. Passa pela vossa cabeça o que poderia ter acontecido no dia 29 Sábado, em que um movimento politico ocupou à revelia das autoridades um espaço que não lhe estava destinado... pensam que a coisa foi simples.... pensam que o discurso do líder da oposição não foi incendiário?? Estão enganados.
Burro é na txáda... na ladera é adaptação do Zé Maria. É banal e corriqueiro por estas bandas. No vernáculo é: burro é na txada, sen sela, sen rabitxi pa é da koxi sima é krê.
E se vos disser que o Djô Santos chamou-nos e a mim de vândalos, vou cruzar a lingua. Não!
Ele vai ouvir o que sei produzir com as armas que possuo. Ele cobou os badius de Santa Catarina. Tirem as vossas conclusões que as minhas já as tenho na cachimónia.
Burru la pundi ki é da-bu kôxi da-l ku pó... é o adágio popular aqui no planalto. O resto é água de outra caçarola.

Ensaio Nº 3


Foi assim que começou a era da FRAUDE eleitoral em Cabo Verde. Tudo pelo PODER.
Aqui, vê-se a rapaziada armada e com dinheiro no bolso, convidada pelos rabidantes politicos da malandragem ventoinha, para promoverem os distúrbios.
Em Santa Catarina é o que a malandragem faz no periodo das eleições.
Instigam os delinquentes, dão grogue, dão dinheiro e mandam-nos insultar as pessoas.

Ensaio Nº 2


É li k'é txon di massapé
É li ki ten pon ki xúxu mássa
É li ki si ta bira ka sí
É li ki diabu perdi si fé
è li ki Djon mórre pa sisi
É li ki andadu na fiu di faka

Ensaio Nº 1


Nhu Jota Santxu ta bá greja?
- Módi!! Bexu... é sima burru.
- Igreja minina?
- Úúú! Santxu... spéra siiiii!

Burrindadi na Pulitica


Este homem insultou Santa Catarina, insultou Assomada, insultou Pedra Barro e insultou-me a mim próprio, portanto, temos cabra na purga. Daqui de Santa Catarina onde estou a exercer funções políticas neste momento no quadro das atárquicas de 2008, na hora certa ele será por mim homenageado pelos seus dotes de burrindadi.
Odio, malcriadeza, nervo na batalha política... ka ta dâ... ka ta dâ. Pa dianti ki é kaminhu.

quarta-feira, 2 de abril de 2008

Exercitar a Paciencia


De todas as virtudes socialmente estabelecidas (temperança, lealdade, coragem, compaixão, honestidade, responsabilidade etc.) a que eu mais admiro é a paciência.

Porque essas outras todas que estão aí entre parênteses são moleza, é só ser minimamente bom carácter. Não tem muito esforço envolvido. Mas a paciência não. Como é difícil ter paciência. Tá aí a minha virtude-meta.

Paciência é um exercício, e como tal exige disciplina. É preciso trabalhar, moldar a sua paciência. Principalmente com pessoas deseperadas. E mais ainda com pessoas desesperadas por quem você tem carinho e afeição. Sabe aquela pessoa que faz tudo errado? Que quer te ajudar e atrapalha muito mais? E que você não sabe mais como tentar ajudar?

E com a constância da situação, a coisa vai te irritando, dando aflição, vontade de sumir... Aí que entra ela, a paciência. Quando você percebe que, sim, trata-se de um ser hopeless, e a sua paciência terá de ser eterna. E-ter-na. Muito esforço, viu? Mas olha, me sinto um ser humano muito melhor.

É Verdade Isto??


terça-feira, 1 de abril de 2008

Eu Não Sabia Isto


Dia da mentira
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Há muitas explicações para o 1 de abril ter se transformado no Dia da Mentira ou Dia dos Bobos. Uma delas diz que a brincadeira surgiu na França. Desde o começo do século XVI, o Ano Novo era festejado no dia 25 de Março, data que marcava a chegada da primavera. As festas duravam uma semana e terminavam no dia 1 de abril.
Em 1564, depois da adoção do calendário ries. gregoriano, o rei Carlos IX de França determinou que o ano novo seria comemorado no dia 1 de janeiro. Alguns franceses resistiram à mudança e continuaram a seguir o calendário antigo, pelo qual o ano iniciaria em 1 de abril. Gozadores passaram então a ridicularizá-los, a enviar presentes esquisitos e convites para festas que não existiam. Essas brincadeiras ficaram conhecidas como plaisante
Em países de língua inglesa o dia da mentira costuma ser conhecido como April Fool's Day ou Dia dos Tolos, na Itália e na França ele é chamado respectivamente pesce d'aprile e poisson d'avril, o que significa literalmente "peixe de abril".
No Brasil, o 1º de abril começou a ser difundido em Pernambuco, onde circulou "A Mentira", um periódico de vida efêmera, lançado em 1º de abril de 1848, com a notícia do falecimento de Dom Pedro, desmentida no dia seguinte. "A Mentira" saiu pela última vez em 14 de setembro de 1849, convocando todos os credores para um acerto de contas no dia 1º de abril do ano seguinte, dando como referência um local inexistente.

Coisas Incríveis


Aconteceu em Boa Entrada quando se queimava palha junto à fornalha de Poilão de Baixo.

Gente Virou Porco


Um indivíduo foi tatuado à noite e a manheceu assim dentro do quarto.
Aconteceu em Rubon Chiqueiro

O Incrível Aconteceu

Fot. Kb - Stª Catarina 31-03-08
Aconteceu mesmo.
Havia dinheiro, cerca de cinco mil contos, guardado em saco de plástico e
enterrado ao pé duma casa algures em Santa Catarina,
quando o dono voi vereficar encontrou o que estão a ver.
Há pessoas que em vez do banco preferem guardar o seu dinheiro,
enterrando-o num lugar seguro, para não darem nas vistas.

Depoimento

LANÇAMENTO DA ANTOLOGIA CABO VERDE PROSA LITERÁRIA PÓS-INDEPENDÊNCIA DEPOIMENTO     Caro confrade Jorge Carlos Fonseca, poeta...