domingo, 31 de outubro de 2010

Bell Deixou-nos

SE DEPOSITAR AFETO EM OUTROS SERES TORNA UM HOMEM FRACO,
DEVO SER MUITO FRACO.

Cantico em Ò Maior a Outubro


Há ribeira do chão espelhado no milheiral

De Bolanha, Achada Falcão a Tomba Touro

Há nascimento da terra ontem atordoada

De Boa Entrada, Engenhos a Sedeguma.

Há notícia dos poços hoje do regadio.

Há o colorido rosto dos montes

E da chuva retida nas encostas.

Há se tembro ou tubro sem pânico

Circulando tubérculos em Fabeta e Tabugal.

Há tempo mais que tempo para ver render

As achadas aladas de doiro dentes de milho.

Há se tembro ou tubro sem cânticos

Do lamento da cheia que ao mar foi parar

Há, hoje, sim!…

Cabotagem à espera da ordem de embarque

Para a iguaria ilhoa de Sotav a Barlav.

(BK)

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

TENTATIVA 2

Língua Materno: ki scrita ki papiar

Tentativa 2

Sempre falado na nesesidadi di no avansa ku studo di nos língua i tudo otus kuza más capaz di medjora-l até ser encontrado um forma aseitável pa nos tudo. Uns i otus sta pustado na kel ideia li, é serto, mas inda kuza sta npatado sem pode atxado um rezultado concreto. Ten fidjus di terra ki móre ta difendi um determinado ponto de vista, mas tambe tem otos ki inda sta bibo ki ta difendi pontos di vista diferenti, i keli tambe é normal. Ideia ma no debe toma alfabeto portugês como referensia é um saída ki nunca foi posto di lado. Tudo muto certo. Má tem otos saída. Vários. Ezemplo é txeu nes mundo fora. Povo ó populassão criolo ka é só nós na mundo.

Eujénio Tavares i Prdro Cardozo é di kês ki foi primeiro a pensa na escrebe i a kestiona utilizassão di nos língua escrito na papel i na midida di sês pensar ês da um grandi contributo. Pa nos fica claro modi ki es ta pensaba. Otos letradus bá más lonji moda Nho Baltazar, moda Nho Armando Napoleão, moda Sejio Fruzóni i Luis Romano i otos. Ês es dâ grandi contributo, dexando sês tistimunho. Má tem otos ki papia mariado i mariadon própi. Se calhar Cabo Verdi pa ês era sês ilha di naturalidadi, ignorando indemeno Santiago, talves conchedo só pa fla ki flado, em tomado Praia como tudo ilha. É bom ki no sabe um kuza. Tem stranjero ki prende nos lígua fora di li, studal i difendi teze na altos universidadi dundi ki es studa, moda Merca. Ês é primero a fla ma nos língua studado e prendedo como debe ser é um língua igual a tudo língua di mundo.

Mas, se calhar, como nos Santu-l Casa ka ta faze milagre porisso tem kuzas ki ta rola-no na ponta nariz no ka ta consigi odja-l pamódi odjo no ta tene na caza genti.

Ami dja-m flado dja, ma criolo bale só pa sta na cantiga i ki fora de-l é pa cada um fica na di sel, pamódi criolo é conberssu di rubera, conberssu di sukupira, ku pilorinho, pa andansa sientífico nau. Sobri kel ideia li, mi mé n átxa ma ka val’a pena kestiona nem gasta argumento ku el, pabia átxa riba d’atxádu, é sima pé di Lépu ta tépu-tépu. Poi pé tra pé fica la mé. Dja-m flado djâ ma poesia a sério na criolo ma é kuza difísil di consige pamódi ma se recurso é limitado. Claro ki Ó é único letra ki pé di burro ta dexa marcado na txon, má como transporte el é nhako sirbidor. Limiti é conformi no dezafia nos cabessa. Tem algem ki el é limiti di si propi crescimento.

Nton nes cazo nhas livro ninhum ca tem poesia, ú ki ta significa ma é impossivel tem literatura na criolo. Pamódi ? Literarura é construido através di um língua screbedo na se midjor forma. Assi, des manera kuza ta bira conplicado mé, até pa ntende. Mi na kel poco ki mim ta odja, n ta átxa ma é ka di oji ki nós é único cazo di tem “ profetas sem pé na si poial” sima ki ar, terra, mar, sol, séu, água, leti, alma, vida, é ka tánto di mesmo kontánto, sima ki trabadja, furta, móri, conta mintira, fala di vida di algém, mata ka é um processo rasiossinado e feto na criolo.

Nha catxorinho na caza ta ntenden muto ki bem. Si n da-l ordi na fransês é capaz di é ladra-m mostrando ma mim sta xuxa ku el. Portanto, confórmi nu julga nos cabessa assi nu ta julgado tambe. É di dreto ku mariado ki nos tudo dja nu txiga ti pundi ki nu sta. É ka deturpa portugês ki é papia criolo i nen é ka uza palavra bóss dento di criolo, ki ta da pa fla ma nu ta rikisse nos língua. Palavra ta ncaxa. Sim! Má el é purbado sima purba sal na comida. Palavra tomado pa di nos é tem ki significa ku naturalidadi, pa é podi tem un star pacífico na matriz di língua.

É ku screbedoris di criolo ki nu ta caba pa afina escrita e si regras pamodi é el ki ta caba pa aponta possível caminho i é el ki tem responsabilidadi di sprumenta validadi di proposta técnico ki ta fazedo pamódi escrebe é u mesmo ki ezerssita um língua moda trovadores ta faze screbendo versos de ses melodia i canta-l.

N atxa oportuno i interesanti traze Dotora Dulce Duarte na undi ki é ta mostra se vizão técnico sobre alguns kuza ki debe ta ser encontrado um resposta dreto. El é ta poi seginte kestão: Tem ó ka tem oto manera di fla klel fraze li…… “é un sforsu imensu ki ta envolve un verba avultadu" "ú ki sta fundamentalmenti en kauza é nos sobrevivensia komu povu". Claro ma tem ki tem. "é um kuza puxado ki ta pidi txeu dinhero" ou "é um trabadjo ki takusta txeu dinhero" o inda: "u ki ta da ki pensa é modi ki nu ta sobrevive como povo... " ki sta en djogu é modi ki nu ta sobrevive como povo". Es é um assunto ki nu tem ki djobe-l dreto pamodi um kuza é tra di portugês i otu kuza é fla ú ki meste ser flado di nos manera.

Alguns ezenplo abssurdo di tenta criola palavras: Indipendensa, ispisífiku, pesua, filizófiku, karaktiristika, posivimenti, dizanvolve, induvidu, konsakuensa etc. Kes tipo di criatividadi li ki ta caba pa ser ridículo i él ta caba pa cria inimigos di scrita di criolo ki pa mi el tem si ronco e si rosto certo.

No sprumenta lé kes linha li ki poetas screbe pa cada um tra si concluzão:

"Alma ku xintidu na txuba e mininu nobu sen batismu e padja na bentu ta badja" Dani Spinola.

"La pundi ki odju ka ta fila odja é la ki tenpra sta é la ki ser bira serteza" Ariki Tuga Badiu Branku.

"Tardi kai sukuru fitxa pretu finu noti é dobra na garganta prumeru galu" B.K.

"Nunka n kontob margura d'nha vida nes mar de kriste nes séu d'munde nha kretxeu"Kanabrava.

"Rotxa skreve na seu y trovon ma relonpeg skreve na boka de pove" Corsino Fortes ."

“Sopra bu fúria kenta petu toma un pinginhu pa dabu spritu" David Hopffer.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

TENTATIVA UM

Língua Materno: Que escrita e que papiar?

Tentativa 1

Esse artigo li é um tentativa escusado. Mas no q'uere tenta demonstra ma no pode tem um escrita que pode muito bem pode corresponde a um certo forma de papiar de alguns de nós, que ta atcha ma no deve aproxima de português tanto quanto possível, uma vez que tem vozes que fla ma nosso crioulo bem de lâ e que maior parte de palavras que no ta usa é português. Assim no ta procura apresental desse forma, se é que no qu’re pa el ser uma coisa de um único rosto, isto é com correspondencia total na alfabeto português, sem recurso a qualquer outro símbolo fonético, mesmo que no corre risco de nosso língua escrito e falado ser considerado um português mal falado. Claro que opinião acerca disso é tcheu e cada um é dono de sê interpretação. Li mim é apenas escritor. 

Às vezes ta parce-no ma nós língua é más autentico qui nós próprio qui ta pretende levanta argumentos em se defesa, outros até descabido pa falta de conhecimento. Claro, que cada um de sê maneira ta qu’re da sê contributo pa esse causa, mas é ta torna muito más difícil se cada um de nós complica esse processo que podia, de facto, ser muito mais simples daquilo que é esta ta ser.

Inteligentimente pensado e correctamente estudado, nos língua nacional pode bem assumi se estatuto que facto é merece, pa razões bem conchedo, se sê forma escrita aproxima mais do português, quiçá próprio forma de expressa. Mas se cada um continua nesse desgaste de nosso língua lugar nenhum el ta tchiga e valor nenhum el ta tem perante no´s mesmo. Tem que ser um forma totalmente aceite pa tudo falantes de mais diverso nível de formação e de instrução, independentemente, como dja no fla, de variante de cada ilha, de localidades ou mesmo de pais de acolhimento de cabo-verdeanos.

Será um gésto de maturidade ou um acto de coragem abri discussão à volta desse assunto, desse forma li? De um forma descontraído, atendendo a visão e sensibilidade de cada um, mas ciente de que no estâ fazel baseado na recolha de experiencia já feito. Ali mim estâ na qualidade de falante e utilizador de um alfabeto pa mim expressa um ponto de vista, nha ponto de vista. 

Se importância de cultura de um povo tem cabimento maior se sê língua assumi forma literário, é certo que se identidade ta sai mais reforçado porque sê pensamento e sê sentimento mais profundo ta assumi forma de registo e nunca el fica na oralidade sujeito a desgaste e deturpação com o tempo. Na nosso caso concreto, no ta goza de um grande privilégio, primeiro, de tem um língua funcional como instrumento de comunicação pa tudo quanto é vivencia plenetária, segundo, porque el é elemento unificador de letrados e iletrados, residentes e não residentes na país, portanto de nação crioulo.

Importância desse abordagem, nada mais é que um experimentação ou um tentativa de enfatiza um texto com um novo visão das coisas, hipoteses que pode sirvi ou não de análise, mas cujo propósito é tão somente prova (provocando) estudiosos e outros curiosos sima mim, ma, de verdade, nu pode abstrai de vernáculo e deriva moda no q'uere e que pode muito bem ca levanu a nada, mas que pode levanu a tchiga outros conclusão e novos argumentação. Porque não! É certo que esse testemunho é dado num momento em que esse discussão estâ parce parado. Mas não. No tem que ser capaz de continua ta pensa e propõe vias pa que processo de uniformização tanto de escrita como de papiar crioulo encontra sê ponto de equilíbrio.

Se através de língua é que esse povo consigue reziste anos e anos na condição de entidade inferior, el consigue cria sê equilibrio psíquico e descubri vias pa sê sobrevivencia, hoje com muito mais razão el tem maioria de razão pa el esta preparado e ser capaz de continua ta construi equilibrios necessários para el continua ta ser el dono de sê futuro. No tem que ser capaz de de ser povo e não substituil pa mas escola no tem ou pa más conhecimento no tem sobre el. Aproveita sê legado e exemplo é condição essencial pa construção de um futuro com mais ciencia e mais cultura.

Na actual fase de nos vida em que no ta pretende desenvolve nos terra dentro de parâmetros moderno quer na aspecto económico, social e cultural, é pertinente que, nesse luta pa valorização e pa reafirmação de nos identidade nacional, é preciso que ensino, escrita e a fala de língua nacional ser tomado como um importante tarefa de estado e um exigencia da nação, já agora, nação global. BK

Um Mar de Água

 Ontem a barragem da Ribeira Seca estava assim. Porque há boa estrada somos nuitos a lá ir nos fins de semana. Daqui a um ano e meio teremos as outras barragens do mesmo jeito. Acredito que sim.
Se faltar boa estrada para lé ir, a caminhada será boa aposta e acampar um grande tónico.
As ribeiras secas estão-se tranformando em ribeiras alagadas, em Ribeiras Irreversíveis sem temer Outubro e restantes meses do ano. Bk

sábado, 2 de outubro de 2010

O Dia da Muz i Ká

               INTERCÂMBIO

O grupo de batuko de S. Tomé e Principe formado por jovens filhos de cabo-verdianos ali residentes convidado a vir conhecer e visitar a terra dos seus avós, patrocínio do presidente da Câmara Municipal de Santa Cruz, esteve ontem à noite no auditório Jorge Barbosa, a conviver com as batucadeiras de Pedra Badejo, com a banda "ferrinho e gaita" também delá e comigo.
 
Não se tratava de um espectaculo, mas sim, de momentos de convívio e troca de palavras, amizade e demonstração de solidariedade activa para com os que ficaram.
De todo o modo, neste dia, a Praia, capital do coroado país da música, sem marcar de modo diferente o Dia do Son, a animação musical costumeira nos locais de copo e garfo aconteceu sem que a importancia do dia tivesse sido lembrada. Os promotores de eventos não deram por isso, confessando um deles que a data não estava referenciada por ele. Nós outros? Nada fizemos e aconteceu à nossa maneira de nada haver. 
Se há Dia para tudo hoje em dia, nada ou rotinas havenbdo, celebrar é reconhecer.  KB

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Dedicatória a Outubro Ingrato


                                    IRREVERSÍVEL RIBEIRA

                                                 Irreversível ribeira. Espinho ou espiga.

                                                 Minha vontade “carapati” não fenece.

                                                 Resiste apenas. Sim. Não transluz

                                                 Desejo de fugir e além acomodar.

                                                 É cada vez alta pedra e mais penedo

                                                 Que não se perturba e não permuta.

                                                 Inteiro e natural. Visão de rochedo.

                                                 Percursos feitos no fio da "camuga".
                                       
                                                Bk.

Poemas do Litoral

ESPELHO D'ÁGUA EM ARCOS DE PEDRA Dois retractos do antigo Dezembro à janela do presente mirando o desmoronar do tecido verde das ...