sexta-feira, 20 de julho de 2012

terça-feira, 10 de julho de 2012

Errar É Regra

           A Praia tornou-se numa cidade de ERROS e como tal cada um e cada grupo de indivíduos fogem às regras estabelecidas e criam as suas, agindo dentro delas, considerando-as boas para a sua conduta na vida e na sociedade.
           Por exemplo cada dono aplica a chapa de matrícula no seu carro a seu belo gosto, desprezando a lei e, mesmo assim, passa na inspecção; a escola tem as regras que tem porque o aluno dá um significado diferente à palavra uniforme e o professor aceita que este seja transformado em ornamento do corpo do aluno; enfim, eu podia citar uma infinidade de situações, mas, esta, é incrível: se na palavra da foto tirarmos a letra G e em seu lugar colocarmos a primeira letra R tudo fica explicadinho.  BK

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Profecias

Caro irmão Djinho 
Li o teu post e só agora refiro-me ao seu conteúdo. Olha, na data abaixo indicada fiz esta letra e música. É mesmo profecia e outras cumprir-se-ão. Sempre as escrevi, mas as pessoas não ligam os conteúdos. A terrível está para acontecer. Depois, mais sadias e mais humanas serão as ilhas. 

SOMADA DÔS

(Funaná Rok)

Txiku ben-bai
Txiku entra-sai.
Mudansa riba mudansa
Tra-pé poi-pé fika la mé.
Somada ken ki da-u es kastigu
Pa más ki fladu fika kel mé
Oya! Oya! Oya! Arnegu praga.

Pilorinhu na meiu di prasa
Pik’Ntóni na meiu di mundu
Era fama di tenpu antigu
Era tenpu nha minensa.
Kunben,Txada Riba, Bulanha
Kutelu, Pedra Barru, LenViera
Somada ken ki dau es kastigu.

Txiku ben-bai
Txiku entra-sai
Ta fladu stória ka ta ripiti
Nha láguas fika na Kruz di Piku.
La pundi ki interra nha fé.
Somada kunpri ês bu kastigu
Oya! Oya! Oya! Arnegu praga.

Praia, 25.04.2012
Letra& Múzika
Kaka Barboza

quinta-feira, 5 de julho de 2012

O JULHO de Julhos

No telhado dos meus muros de carne
Cantam Julhos de todas águas vazadas
E bailam ventos de todos os sentidos
Julho! Pensado Julho! Julho sentido!

A hulha dos teus duros vividos dias
Traz-me longas saudades de mim
Faz-me caminhar para dentro da idade
E supor na boca o olor do clamor feliz

Como é seguro o caminhar do Julho
Parece trazer nas ancas o feto do devir
Como amo a flor do tempo que há-de vir

Como é futuro a rubra flor de Julho
Parece trazer ao colo o riso do porvir
Como amo a flor do tempo que há-de vir.

(Poema da coletânea inétida - Terra Dilecta )- KB





quarta-feira, 4 de julho de 2012

Sepultura CV

    Apreciem bem o texto dos escribas MPD no LiberalOnline e tirem o devido valor politico do seu conteúdo.

"Praia, 3 de Julho 2012 - Não é preciso muito para demonstrar o quanto autocrático e bárbaro é o regime corrupto do ditador angolano José Eduardo dos Santos, elogiado e apaparicado pelos governos europeus – particularmente o português - à cata dos diamantes, petróleo e dinheiro para sustentar as suas falidas economias.

Uma nomenclatura despótica que vai sacando ao povo a riqueza nacional, engordando-se a si própria, e que agora se tenta perpetuar no poder, seguindo o exemplo do traste da Coreia do Norte.

Aqui deixamos um exemplo da forma como, mais uma vez, está em marcha uma enorme batota para ganhar as próximas eleições, que não serão mais do que uma encenação patética de pretensa democracia, usando a ameaça clara e feroz, além da repressão que diariamente se tem abatido sobre o povo mártir de Angola, com o objectivo claro de criar um clima de medo".

       Os editores deste texto não estão a cavar a sepultura do MPLA e do seu Presidente José Eduardo dos Santos, antes, cavam, cada vez mais fundo, a sepultura política do actual presidente da república Jorge Carlos Fonseca, refém dos ventoinhas, a sepultura do MpD e dos dirigentes que vierem a ser governo de Cabo Verde no futuro. É que a bacorada come, caga e perfuma-se no esterco eleito almofada das suas horas de repouso.
       Nhos dâ só ma dja sta... pa dianti ki é kaminhu.             KB




segunda-feira, 2 de julho de 2012

Strela & Stêra

                         De todas as análises possíveis o que a letra desta música opina, elucida bem o
                                         que se está a passar com o Partido da estrela negra.

                                                        ( Komu di meu ka ta obidu....)


                                                                      KODJETA


                                                                   (Estilo Funanbá)

                                                                Ken ki kre faze kodjéta

                                                                Ten ki scodje gran di simenti

                                                                Ken ki kre ten simentera

                                                                Ten ki kórre lugar só manenti


                                                                 Korbu ta tadjádu

                                                                 Txóta ta spantadu

                                                                 Pádja runhu ta mondadu

                                                                 Pa ka npáta lugar

                                                                 Simentera ta guardadu

                                                                 Sima guarda pórta kuartel

                                                                 Ómi ki é ma discudadu

                                                                 Kuzas ta mufinal kabé

                                                                 Purgunta nhu Adrianu

                                                                 Ómi la di Txáda Longera

                                                                 Módi ki é passaba kel anu

                                                                 Ki é dexa bakan na ladera


                                            (Praia, 13 Set 82 - Letra & Múzika - Kaká Barboza)

POEMAS MARGINAIS

                                                DEIXEM O PATIO FESTEJAR E DANÇAR Festeja e dança o meu pátio Até embebedar a mã...