quinta-feira, 23 de abril de 2015

RAPIZIUS



Não sei porque é que o crioulo fala por falar. Que património grandioso é esse? Que Mosteiro Misterioso é a igreja do Tarrafal que não deva merecer reparos arquitetónicos?
Então o Bispado não sabe o que fazer com o seu património?
Quando se mexeu na casa do meu sogro em São Vicente todo o mundo caiu em cima... destruir o património da cidade do Mindelo é crime etc. etc.. mas a casa lá está reformada e bonitinha da silva, como era dantes.
Porquê não reformar esta igreja e a...mpliá-la e fazer dela um templo digno do Santo Amaro Abade ... monumento da cidade..
Em cabo verde qualquer barraca é património. Porque não?
Mas o que é património de facto estão às lagartixas, toma sol e depois hiberna. Exemplo: Memorial Amílcar Cabral.
Dinheiro no banco é património. Mas o maior património da Praia é Sucupira, e de Cabo Verde, é a ostentação, a hipocrisia, as inverdades e a doutorice de muitos que gozam 365 dias de férias por ano nas repartições do estado e nos institutos públicos.
Bem haja a queda dos que caíram dos andaimes da arrogância, da vaidade e da ostentação. Não tarda muito. Cairão mais e mais, não tarda

RAPIZIUS



Detesto repetições e chavões para não se dizer nada:
é um dia de reflexão;
eu na qualidade de cabo-verdiano;
como democrata que sou;
é preciso sensibilizar as pessoas; ...
vamos estabelecer parcerias;
queremos uma cidadania activa;
é preciso criar as condições;
junto das pessoas;
queremos os nossos direitos;
os resultados são extremamente positivos;
é preciso repetir mais vezes;
ultrapassar os constrangimentos;
escutar as preocupações das populações;
o povo unido bla-bla-bla...
Bolas! Que coisa.... até parece que não temos mais que fazer nesta terra. Hoje é dia do professor e não se trabalha. Está-se em casa a pensar na farra logo à tarde ou então a .........................

terça-feira, 14 de abril de 2015

LIVRO EXPRESSÃO DO ESPÍRITO

 
 
O FB fez as contas e atribuiu-me 31 anos de idade interior, o que significa, que dentro da minha cabeça, nem a dita idade de Cristo atingi, portanto, sou novo ainda, mas um novo que já viu muita coisa e atento a o que se faz aqui nas ilhas, TORTO E DIREITO.

Todos sabem que o livro é como uma estrada para todos. É uma unidade que o autor ou a editora coloca à disposição do público para desfrutar a seu belo prazer.

Mas porque será que um livro tem de ser apresentado ou lançado, FATEADO, quer dizer de fato e gravata, cerimonioso como se de missa tratasse, como se o livro fosse BÍBLIA, coisa de outro mundo, TIDO como coroamento do eruditismo de quem se atreveu explorar o dom da escrita ou a sua capacidade de observação e de registo. Bolas! O livro é expressão do espírito na modéstia da sua evolução permanente.
É uma GAVETA prenhe de (ante) visões passadistas ou futuristas.

 PORTANTO!...
 
O livro é como uma estrada
Caminhada por etapas
Portanto uma respiração pela palavra
Porém um dólmen de papel
Quiçá um candeeiro de saberes.
 
O próximo livro
É prosseguimento da estrada
É respirar contínuo pela palavra
É pele do outro na sua própria pele
Quiçá um poleiro de expores.
kb

sábado, 11 de abril de 2015

RAPIZIUS


O horário do voo foi cumprido e, dez minutos depois, estava eu na ilha do Maio, quando eram 09H40. O visitante sentado a meu lado era europeu. Conversando, ele comentou: a tarifa aérea de 5.074$50 (Praia/Maio), equivalente a 46,02€, dava para muitas milhas dentro da europa. A conversa foi interrompida pela aterragem no aeroporto local. Era sexta-feira e o dia estava pardacento. Em Março o nordeste costuma puxar muita poeira da parte desértica do continente para esta zona do trópico, ofuscando a visibilidade. Sempre achei Maio uma ilha graciosa e de parecença incomum. Ela goza do privilégio de ter uma população trazedora duma vivência de sossego e de paz, embalados pelo rolar saltitante do mar nas areentas praias e pontas calcárias, marcos antigos erigidos sob o peso do silêncio primitivo, recurso exótico, que confere à paisagem identidade própria e qualidade de vida impar (por explorar e valorizar), oferta de luxo para todos quantos procuram a ilha e sua capital, Porto Inglês, para relaxar, viver, trabalhar ou augurar projectos económicos. A longa e bela marginal (em obras) trará outra aparência á baixa da cidade porto de antigos baleeiros, marcada por pontos figurativos e marcos históricos.
Contrariamente ao bulício das grandes cidades, onde, praticamente, ninguém é para ninguém, Porto Inglês, vilas e lugarejos, oferecem ao forasteiro acolhimento e convívio, modéstia e simpatia e um elevado grau de civismo reflectidos na configuração da urbe (em expansão) das ruas e das redondezas com elevado grau de limpeza, cuidados que, mantidos, conferem grandeza e bom nome social á ilha. Defendo a ideia de que o progresso económico e social da ilha, de modo algum, deve danar e esvaziar a reserva moral e os valores cívicos protegidos pelas famílias e pelas colectividades.  
Oriundos de Santiago, ilha vizinha com grande impacto na sua vida económica, possuem afazeres comerciais, e, ou pequenas realizações voltadas para o turismo (em stand by), expectando o futuro que se desenha promissor neste sector da economia. São vários os estrangeiros europeus que elegeram edificar casa própria, caso de ponta preta, passando na ilha a maior parte do ano, ou então estâncias turísticas (inacabadas pelo impacto da crise), residenciais e restaurantes mitigados, reflectindo o exíguo mercado turístico, marcado pela anomalia dos transportes (marítimos e aéreo) pelo deficiente provimento de géneros e víveres, pelo fraco fluxo interno e externo de visitantes, quiçá, agregado à fraca ou nula promoção do destino Maio pelas agências de turismo ali sediadas ou fora dela, carências que indicam que Maio precisa conectar-se a um projecto forte que ofereça pacotes de estadia variados com tarifas convidativas e bem ajustadas à qualidade de serviço a prestar-se pelos emissores e recebedores do tráfego.
As tarifas de 5.074$50, por passagem aérea e de 2.900$ e 2.750$, mais taxa turística, de dormida por individuo, em residenciais de 8, 10 a 15 camas, podem não ser onerosas para alguns, porém, potenciais visitantes internos cientes de querem variar seus fins-de-semana numa ilha diferente não o fazem. A ilha do Maio tem muito para oferecer e agradar os visitantes, desde que bem orientado e utilizados os recursos presentes, comida, estórias, crenças, cultos, romarias, teatro e música e o que há de mais sentido e fundo na vida maiense – o exotismo do seu silêncio.
Olhando para o motivo que me levou á ilha devo indicar que a Conservatória dos Registos, as Finanças, a Câmara Municipal do Maio, o Banco Comercial do Atlântico, a Residencial Marilu, a Esplanada o Corsário, foram serviços que me acolheram e saliento a simpatia e o bem servir em qualquer um deles. Olhando para os amigos gradeço bastante o Ex-Delegado Escolar Sr. Adalberto, o empresário Sr. Jorge, os músicos Tibau, Mike e Manuel, o director da Cultura da Camara Municipal do Maio, as professoras e os professores, (vários de Santa Catarina), à Dona Nhunha, ao Zé Enes, ao morador suíço Sr. Markos, às professoras e amigos da Calheta, aos jovens anónimos que estimaram conhecerem-me em vida. A todos vós, caros amigos, o meu muito obrigado pela amizade e simpatia.
De forma particular agradeço o Presidente da Camara Municipal do Maio, Sr. Manuel Ribeiro, pela visita de cortesia a mim concedida e a gentileza de acolher as ideias de valorização da cultura e do bom nome do Concelho que esforçadamente dirige.
Finalmente, peço à Srª Ministra que tutela o turismo o favor de colocar na sua agenda de trabalho uma visita ao Maio, para avaliar e propor soluções viáveis para este sector de actividade em stand by.
Voltarei para vos abraçar a todos.

sábado, 21 de março de 2015

RAPIZIUS


 
ASSOMADA ACT – REFLEXÕES PERIÓDICAS
 
A Associação dos Amigos de Santa Catarina nos moldes para que foi criado extinguiu-se e é de difícil resgate mesmo mantendo os ideais. Assomada urbe em metamorfose para ser cidade precisa gerar o que se convencionou chamar de movimentos cívicos, grupos sociais interventivos, especializados em disciplinas concretas, inteiramente despartidarizados, mas com objectivos claros e acções programáticas também claras, para gerarem o grande movimento cidadão para a cidadania.
É o que se está a desenhar em Santa Cruz, para onde sou chamado a colaborar com a minha experiencia, a começar pela valorização da cultura local, seus agentes e as figuras que contribuíram para o bom nome e pela dignificação do Concelho. Diga-se que esta é uma iniciativa dos jovens, dos músicos e dos jovens poetas populares. Está a dar-se o tal despertar de energias “ostracizadas” e torná-las úteis na comunidade, entenda-se por comunidade os poderes instituídos, as instituições da protecção social, do ensino, da formação profissional e das artes no geral, incluindo os agrupamentos cívicos em redor de interesses específicos etc. Criar novas entidades participadas por cidadãos é o mesmo que abrir corredores de ampliação do conhecimento do meio envolvente, poder avaliar e conceber soluções.
Para mim, no estado em as coisas estão, basta olharmos para o afastamento deliberado ou não dos quadros de Santa Catarina, basta avaliar que participação destes tida ao longos dos anos do municipalismo ou seja da descentralização da administração pública, em favor dos municípios. A ideia com que fico é de quase nada. A isto deve-se em parte à quebra da confiança e a degradação da reserva moral na sociedade em Santa Catarina e particularmente em Assomada, vítima de abalos ruinosos pelas sucessivas investidas demagógicas e detractoras do comprometimento e da confiança dos cidadãos mais ousados, daqueles que, portadores de experiencias outras não foram chamados mesmo havendo diversidade de opiniões ou pluralidade de ideias.
O sistema da corrupção e do clientelismo político desarmou o legado de boas práticas, confinando os críticos da situação instalada na posição de marginais. Em Santa Catarina não há sociedade civil na óptica correcta do termo. É retórica. Existem grupos e comunidades segregados pela arrogância e ganancia do poder e jogos de interesses frontais ao do chamado “jogo democrático”. Os partidos políticos sediados no Conselho devem refundar os conceitos de militância, de liderança e de prática política, devem apostar na reconversão dos procedimentos e adequar o seu perfil de modo a acertar para aceitar as diferentes correntes de opinião, muitas delas sediadas em grupos que se interligam através das redes sociais e outras formas de convívio e de diálogo.
Verifica-se que mudou radicalmente os níveis de confiança e de relacionamento dos cidadãos com os partidos políticos, com as instituições e inclusivamente com as lideranças, muito por causa de comportamentos, de acções e medidas avulsas sem correspondência directa nas pessoas, ou porque se tomadas visaram a satisfação da clientela politica (potenciais votantes) originando deformações, afastamento e indiferença. No bom dizer da terra ORAS KI BU LAGADJI, LAGADJIDU TA FICA.
Pensar e dizer SomadaAct é no mínimo um acto ridículo e doentio. Declarar SomadaAct como evento marcante ou celebrante de teatro é de todo um acto falido de boas intenções. Tentar trazer do MindelAct, o Act, como acto vinculativo do teatro em Assomada, mais antigo que o de Mindelo, é para quem que de cultura e para a cultura nada de nada tem e nem tem para a dar. Abendiçoado seja OTACA, que engendrou para si e para o teatro de Santa Catarina o que chamou de Oficina de experimentação e de resgate da história e do espírito das gentes das ribeiras.
Apagar ou ignorar a memória e a história é tornarmo-nos turistas vagabundos na nossa própria casa, onde os nossos avós anteviram o futuro.
kb
 

domingo, 15 de março de 2015

POEMAS AO MAR NO DIA MUNDIAL DA POESIA





Cedo fui ver o mar do perto e o do longe, o mar lá onde a linha da vista se confunde com o céu, lá onde os poetas colhem ervas para o seu jardim, o mar de Jorge Barbosa, o mar dos trovadores das ilhas, o mar imigrante, o mar de Eugénio Tavares, o mar território, mas o meu mar de hoje nos meus poemas.........







MAR

 I
O mar da minha beira-mar ...
De aguarela onírica virou:
Ponte aos portos das nações.

O mar do meu marulhar
De partida e pranto virou:
Praias no mapa das opções.
O mar do meu talha-mar
De triste contraposto virou:
Rota na proa dos porões.
O mar do meu sussurrar
De mágoa noutra água virou:
Pistão móvel das mutações.

 II
Mar muro inserido do céu
Rusgando nos refestos da ilha
O sossego das praias desertas
Mar rendilhado trepidante
Pendente sobre pórticos de areia
Onde os búzios acerbam os seios
Mar cinta económica exclusiva
Multíplice caminho liquefeito
Onde os faróis refulgem miras
Mar ronha asilada no Eu ilhéu
Jubilação no olhar embarcadiço
Onde fenece o pendão do adeus

III
Mar um livro de grandeza
Uma respiração pujante
De serenidade e profundeza
Lê-lo!
É toma-lo nos braços e amá-lo
Como faz o simples tocador de búzios
Que delonga dos lábios o som marinho
Onde se conjuga a dança dos golfinhos
Mar orla dum remo logrando vagas
Plangor na proa do leme espumante
Mar rosca sem-fim na boca das rotas

IV
Mar a vagem que teceu a viagem
Serviçal a Sul e Emigrado a Norte
Mar larga avenida embarcadiça
Na fina seiva doce das mágoas
Mar assobio em alhetas corroídas
Rolando ao vento a dessalinização
Mar têmpera no olho do milho
Rebento no céu da boca da ilha


KBarboza - in Terra Dilecta - não publicado.

quarta-feira, 11 de março de 2015

RAPIZIUS

 
No privado recebi várias mensagens de amigos e uma delas é de quem tenho muita estima e amizade, amor de irmã mesmo, todos eles, pedindo-me que não respondesse a uma provocação que vinha no FB - Onda Criolo.
Não é resposta é apenas um sublinhadozinho.
O escriba é português confirmado ( como bem disse há 44 anos) reformado da Força Aérea Portuguesa, empresário, poeta, músico, psicólogo, sociólogo, escritor, Técnico Informático e politico democrata com ar crioulo. Devo confessar que eu fiquei pela minha quarta classe da terra, curso que me dá para saber respeitar a família, os irmãos, os amigos, os adversários e o país dos outros e dá ainda para eu pensar e dizer livremente tudo o que penso sem bajulice e aldrabices.
Sempre fui assim. Digo o que penso seja onde for. Não nasci para ser albarda de ninguém. Assim me ensinou o meu pai e a minha mãe.
Admira-me o facto de o crítico, querendo aparecer por estas bandas, ter gastado demasiadas palavras para se evidenciar em culto professor, mandando-me calar. Se eu falar dá bronca mesmo exma personalidade culta. Não estou disposto a discutir literatura, pedagogia, música e cultura cabo-verdiana, nem africana nem portuguesa com filho pródigo.
O que digo aos democratas é que devem poder aceitar com humildade a opinião dos anti-democratas para que a estimada democracia possa crescer na pluralidade de opinião em debates acesos, mesmo na ausência do banco da escola e na fartura do eruditismo, enfim, essas coisas que os iluminados vêm e que os outros não enxergam por diversas ordens de razões.
Veio-me à lembrança as recentes crónicas desaforadas de João Branco que com autenticidade demarca-se do politicamente correcto, pondo muito boa gente da praça com o tal sorriso amarelo na face.
Assim é o entendimento dos iluminados: uns mais democratas que outros, uns com faróis na mente e outros com podogós, uns bodonas e outros tubabos.
Um coisa é certa - burro ki sata-bu txeia ka bu fla ma é na cavalu

segunda-feira, 9 de março de 2015

RAPIZIUS

 
Disse-me alguém NO PRIVADO que fui considerado CONSERVADOR e ULTRAPASSADO por algum crítico sem preparação, se calhar por não alinhar na enxurrada que se propõe ser produto fiável da cultura das ilhas. Bem! Um conservador ultrapassado não faz a música que faço e nem faz letras e poesia que faço e que venho fazendo.
Para mim música é aprendizagem, é estudo, é meditação, é pauta, é estrada para se chegar a alma de um povo e não uma balela qualquer ritmada copiada algu...res para satisfazer "fãs" e ou angariar votações.
A verdade é que neste mundo há de tudo: Artistas da Moda a Músicos.
Se se está a construir a chamada "música popular caboverdiana" que é uma espécie de catálogo musical no qual se insere a o que se chamou nos anos 70 de anti-música para salvar a música, como aconteceu na europa, então que venha a cabaça da cheia, pois, ela passa e a ribeira fica com lagoas claras e transparentes. Aliás sempre foi assim.
A música nacional é tal qual a literatura. Elas têm origem no plancton do nosso espírito e trazem consigo os impulsos, a sensibilidade e a idiossincrasia do povo deste arquipélago e nunca é algo estéril, imitação e servil, em resultado de importações baratas.
Não há nenhum produto cultural de povo algum alheio às suas raízes, à sua história e ao seu percurso na senda do seu bem estar social económico e psíquico. Uma coisa é música em Cabo Verde e outra coisa é música de Cabo Verde. A nossa cultura não é algo servil a outras culturas, nunca foi e não há-se ser isso nunca por mais lusofonia que haja e por mais globalização se propale, não havemos de ser imigrantes na nossa própria terra, porque o espaço em que vive e circula o que é autenticamente nosso não envelhecerá e nem morrerá. Eis as minhas observações "caducas e conservadoras" no dizer de alguns.
Uma coisa é certa eu jamais aceitaria entregar troféu a alguém que foi posta na moda, desfilando do melhor que há para se vestir.
PS. Declaro-me contente com as reações às minhas provocações.
Obrigado a todos.

RAPIZIUS



Ouvi a explicação da Tete Alhinho, enquanto presidente do júri dos CVMA, ( de saída) e diz isto:
... reparem que são dezoito categorias de musica e quizomba é zuk/ zuk love ou cabo zuk.  Há publico de todos os gostos....... esclareceu. Para mim quizomba não é zuk e nem deka é funaná.
Mas a questão que se põe é a seguinte:
- CVMA é para promover o quê?
- Que música e que país? ...
- Que produto, que marca e para que destinos?
- Porquê confundir (ou fundir) musica de Cabo Verde com música feita por caboverdianos?
Porquê considerar imitações, plágios e adulterações como sendo obra e produto de Cabo Verde lá porque o dono fez ou cantou em crioulo?
Na minha opinião a CVMA não devia premiar musica de entretenimento e de conteúdos mercantis, antes pelo contrário, premiar obras de valor acrescentado que vinculava a cultura musical das ilhas ao grande trem mundial da boa musica, e boa musica é aquela que pode concorrer com qualquer outra em qualquer salão do mundo, tal qual como Bana, Cesária, Mayra, Lura, Jorge Umberto, Djennifer, Xando Graciosa, Norberto Tavares, Paulino Vieira, Kim Alves, Bulimundo, Tubarões, Rabelados, Delta Kultura,Voz de Cabo Verde e Cabo Verde Show, entre outros, fizeram e marcaram as audiências nos lugares por onde passaram.
CVMA enquanto salão de exibição de vestuários e modas...ó-ó-ó! Muito Bom.
Enquanto entretenimento e promoção de caras e da alienação cultural... ó-ó-ó-! Muito Bom.
Enquanto negócio... ó-ó-ó! Muito Bom.
O resto é caso de observação e de estudo.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

DI VAGAR DE VAGAR

 
Contente espaço cantante
Como repenicar de pássaros   
Que no varandim do tempo
São abstracções e paisagens. 
 
Ó terra corpo que esbraseia  
Cada esquina da tua pele
Cada desenho do teu gesto  
Cada curva do teu perfume
Cada sombra do teu trânsito
Cada música do teu sossego
São aprovações e néctares.
 
Ó fonte d’água desfalecida
Cada colorido tombado
Cada levada desarmada
Cada semente agonizante
Cada inquietude do pardal
Cada espera apodrecida
São desninho e privações. 
   
Mesmo que o falecimento
Apague o rasto do lavrador    
Que te tratou e te semeou
Não acaba aqui o sonho.
KB