sábado, 30 de abril de 2011

desMaios em Poesia


Se sou! Não me dá calor
Hoje áspero sal ou ainda fel.
No peito cedo demais
Escaldou-se meu ovo de amor.
Amarelo da cor do caju a gema era
Fundiu-se claro com clara
E desmaiou.
Incolor apodreceu e derramou-se. 
Mas já houve tempo em que fui mel.
Aprendi a amar claro o destemor
Amigo grato imposto
Ungido por línguas de fogo.
Tange-me hoje outro amor.
Importava nada que certos deles
Couros sem serventia e de vontade reles
Arrebatados fossem por um endiabrado vento  
                             E de vez
Se revezarem no seu paladar grotesco
Que ilegitima o sossego do tempo
                            E de outros homens
                            E
                   Se conjuntamente tiver de ir
                    Partia p’ra os atiçar fresco
                             No sótão a pique
                            Fundo e refundo
                                 Do inferno.
                                          KB


sexta-feira, 29 de abril de 2011

Poema em Silencio



Oblata à Mãi Maria      


Rendido no secado terral silencioso
Meu palpitar deslizava vacilante 
Sobre os deuses que dispõem dos seres.
Curvado no teu jazigo grandioso
Meu palpitar resvalava hesitante  
Sobre o tempo que o silencio enobrece.

Em volta dos abertos braços negros
Do lenho que Abril a lápide enlaça
Há cânticos, flores e mil segredos
Há preces ao alto Céu por ti Graça
Da Maria mãe que á luz filhos destes
Que vindos não para fenecer de “graça”.

Se na tumba imóvel jazem fervores    
Que no canto e na poesia revivificam.
Se em tua glória repousam brancores   
Que o sadio e o falso da vida lenificam.
Deste peito varão incapaz de vacilar   
Irrompe a flama para teu nome louvar.    
   Kaka barboza
Praia, 29-Abr-2011

sexta-feira, 1 de abril de 2011

ANONCIO DE CANDITATURA


Para os duvidios enfeitos tenho a hora de comunicar vocês todos e o poblicu caboverdiano dentro e fora das ilhas maternas que decidi agora mesmo cantidatar-me para a carga de alto manistraido da noção.
Vários actiores colturais e outras figuras da acidadania altiva me tive precisionado nestas últimas horas do dia para me colocar publicamente à discizão perante os aleitorados do na chão inteira para alinhar na corrida ao Palácio em cima da Praia.
Não pensei duas ou tres vezes perante os mails de conteúdo graciosos e favorável dos tocadores, cantadores e cantadeiras, corneteiros músicais de todas as manifestrações e tendencias e quadraturas do nosso universo coltural incluindo ouvidores de música, Didjeis, produtores e vendedores de Cds pirata.
Os apoiadores da área musical meus apoiantes sem reservas:
Daniel Rendall, Africano, Manel di Candinho, Kim Alves, Tó Alves, Jorge Netu, Tei Barboza, Txeka, Júlio, Djoy Amado, Constantino Cardoso, Vlu, Hernani, Djoska, Txenta, Silvio, Pé di Galo, Tey Batarista, Leonel, Lura, Mayra, Djinho, Albertino, Zeka Kouto, Kizó, Angelo, Raul, Bau, Voginha, Dany Mariano, Rosa Mestre, Talentos de Santa Cruz, Rapazes di Porto Riba, Pó di Terra, Bawtukinhas, Nhela Spencer, Adão, Eduino, Balila, Bityina Lopes, Diva, Antero Simas, Mirri Lobo, Xiomara, Iza Pereira, Celina Pereira, Malta Zé Lovi, Betu Dias, Grace Evora, Xando Gracioza, Princezito, Rapazis Sem Juiz, Azaias, Zé Cabra, Bino Barros, DJAN KANSA.

Apoiadores da área Liturária: Prefiro pôr os Sócios da Associação de Escritores Cabo Verdianos, Os Sócios da Sociedade de Autores Cabo Verdianos, os rabiscadores de poesia e ensaidadores de escriturações.

Jor nalistas Radio, TV e Papel: Desconfio do seu apoio total embora a Rossana, Júlio, Elisangelo, Santos Nascimento, João Pires manifestaram o seu indectiavel apoio.

Apoiantes emsur dina: Muitos, visivelmente Jorge Garcia, Monteirinho, Pedro Rodrigues, Raul e Ana.

Apoiantes desca rados: Maria Regaia.

Apoiantes di versos: Familhas.

Preocupações do Cantidato: Acabar com as bogigangas nas lojas china e aumentar o consumo da cultura musical nacional verdadeira e agriculturar música de qualidade.
Limitar o circulamento e auditoria de músicas pimba, nas Radios, TVs, Hiacis e carros de passeio. Tudo com dinheiro do kan-kan di dimóni.
Kb

Poemas do Litoral

ESPELHO D'ÁGUA EM ARCOS DE PEDRA Dois retractos do antigo Dezembro à janela do presente mirando o desmoronar do tecido verde das ...