segunda-feira, 2 de junho de 2014

DA COLEÇÃO FLORIS D'IBYAGO


 
 
 










JANELA & BORBOLETA

Tu, janela!
Nua És impedimento.
Vazia És deprimente.

Tu, borboleta!
Ausente És perseguição.
Distante És sofreguidão.

Perfil e recorte
Ambas longínquas
Mesmo estando perto.

 Kaká Barboza

 

Poemas do Litoral

ESPELHO D'ÁGUA EM ARCOS DE PEDRA Dois retractos do antigo Dezembro à janela do presente mirando o desmoronar do tecido verde das ...