sábado, 7 de janeiro de 2017

RAPIZIUS - Furar Olhos ao Futuro


                                                      FURAR OLHOS AO FUTURO

Defender Cabo Verde passa, primeiro, por falar claro e a verdade diante de todos e nunca esconder-se detrás da cortina da hipocrisia, acenar a bandeira azul e cantar ao irmão o hino da inaptidão. 
Defender a terra é decidir e agir sem medo dos ciclos eleitores. 
É não tapar as mazelas que a incivilidade vem aumentando com diversões, festivais e dimokransa.
A morabeza em vias de dissolução foi atacada pelo corrompimento das pessoas, dos agentes públicos, do clientelismo nos partidos políticos e pela afronta imposta às crianças.
Fingimento e hipocrisia viraram doença tropical contagiante criada pelos imorais brancos da terra.
Finge-se cristão, finge-se crentes em Deus, finge-se adorar os santos padroeiros com celebrações, festas, festivais, anunciações e inaugurações, falatório, palanques e povo na procissão, no entanto a miséria moral ascende como paus de carrapato lançando grelos ao chão.
Perante as caras de santo nos altares, nos palácios e repartições públicas, perante o declarado amor à terra, perante as demandas irrealizáveis no país de rendimento médio, perante a esperança que nunca morre, perante a falida morabeza, perante quem nos escuta e observa, perante as doações canceladas, perante os tempos terríveis que se avizinham, perante o pai que come a filha menor, perante o irmão que mata o irmão, perante as modas importadas, perante o consumismo e a ostentação, perante os verbos transitivos gandear, discutir, matar, consumir, gesticular, musicar, escrever, casar, divorciar, exigir, reivindicar, regionalizar, descentralizar, sensibilizar, workShopar e macaquear que a escola democrática do país conjuga na primeira pessoa, perante tudo isso, resta-me questionar: furar olhos ao futuro é caminho certo para se alcançar o suposto progresso e bem-estar para todos? 

Sem comentários:

RAPIZIUS

            Adivinhem! O Boeing dos TACV gemia em pleno espaço em direcção às ilhas. Estou a três horas de Boston no seat five...