domingo, 15 de janeiro de 2017

Em Domingo de Poesia


Dois poemas da coletânea (na gaveta) Terra Dilecta - Caminhos Cantantes -

3
neste lado do mar
nem peixe nem tostão furado
há coisas que dão que pensar
o dilema é não ficar marcado

neste lado da terra
há buraco que gora o andar
há gente que tudo emperra
a calema é o deixar ficar

neste lado da vida
há mil braços p’ra trabalhar
mas ele é vento que assobia
que só acorda para passear

neste lado do povo
se podia ser bem mais feliz
se refém não fosse o voto
d’um molho de porcos xix

neste lado da alma
há filho que o ventre chora
odeia os poderes e a fama 
a sociedade tudo ignora

neste lado do canto
há luta artilhada à espera
há peito despido de pranto
há guerra no vigor da terra

4
tanto expor o acordo assinado
conversa fiada e cifrões à solta
aquele rosto no ecrã plantado
bem maquiado e flores á volta

tele-fingindo agindo com jeito
bla-blá o embrulho p’ra malta
ninguém escuta o tal sujeito
na jorna é manchete sem falta

o que queria e o pretendido
pouco do nada logrou dizer
do conhecido mal escondido
claro ficou e nada a condizer

o povo é rua que não chora
é riso dum orgulho que voga
é coragem que tudo remove
é brado que nunca se afoga

o povo é o lado duro da vida
onde a razão tem destreza
onde o zero é coisa dividida
onde a verdade trai certezas

Sem comentários:

Poemas Marginais

MÁS_CARAS EMDE_LÍRIO Desmascarado sentei-me na gaveta   A lâmpada acesa a vigiar minha mão Desinquieto nem pardais-do-telhado ...