domingo, 22 de janeiro de 2017

Em Domingo de Poesia


DOIS SOM NETOS

12
viu o olho da visão e jamais convenceu
o círculo não tinha centro nos seus olhos
nem circulava o redor em seu claro céu
aguava-se no odor da vela e bebia óleos.

perto passeavam seus mirares e sorrisos
abrindo-se e fechando-se dóceis ao dia
viram jamais outros olhos senão os seus
na menina que sob as pálpebras morava.

ali desabaria qualquer raio na sua fronte
a flor que se abriu um dia fora mais rosa
ao sol do jardim do que na boca da jarra

era menos no vaso a flor que no caule
onde mariposas alavam-se apaixonadas
a sonhar com os sentidos excitados

13
olfa tinha na rua das suas pregas
segredos que adoravam a sua idade
bebia e fumava e depois seduzia-se
nas silhuetas do fôlego que expelia.

do seu amor-próprio caíam desejos
rolando bolas de vapor sedentos
que curiosas abriam as vontades    
ardentes e doentias seus sentires.

caiu o véu e o dedo vagou o interior
húmido a sentir não o cheiro do puro
mas do vício preso nas ruas do olfacto.

na montra as narinas espiavam o dia
farejando curiosas o odor andante 
a sonhar com os sentidos excitados.


Sem comentários:

Txabeta Em Estado de Alerta

                                                                                                                                     ...