segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Rapizius A Janela e o Rosto


                                                                    A JANELA E O ROSTO

No Tê Três, segundo esquerdo, á Rua do Poeta, ao pé da Esplanada o Cometa, mora a janela que dá para o fresco pátio, que não é bem-dotado, mas agrada. Assentos, canteiros e árvores de adorno fora o planeado. Porém, o raro verde das acácias rubras contrasta o cinza do empedramento. Não há no mundo inteiro canteiros onde as pedras floram para as janelas. Só no pátio. Só ali as pedras florescem e frutificam. O que diariamente fazem os pombos bicando o chão? E a janela que do alto assiste a paisagem? Era sexta-feira à noite. A aba da lua já havia aparecido quando a janela se abriu e foi suavemente abordada pelo trinar dos grilos. Inclinou-se. Demorou até se dar conta de onde ela estava e do que tinha programado fazer nessa noite de mais um dia a afinar o texto. Buscava o esboço dos três últimos versos. À esquerda o Dicionário, o bloco de notas e esferográfica à direita e ao centro a tela do computador. Ao fixar, instintivamente, os olhos no branco da parede, uma mistura de contrastes fascinantes desafiou-lhe a descobrir, a explorar, a ir em frente, pouco a pouco os traços vinham como flashes de uma peça em que ela era o fingidor, o personagem gentil e ao mesmo tempo autoritário, educado e ao mesmo tempo impaciente.
Eram duas horas da madrugada de sábado quando um rosto apareceu na parede do quarto branco, justamente onde a lâmpada de leitura enfraquece a luz, mas perceptível. Levou um bocado de tempo a olharem-se. Na verdade era um momento de cordialidade. Ambos não queriam desapegar do ambiente que criavam. Pareciam rostos numa varanda à luz de velas, ao fundo a lua e as estrelas como testemunhas, e abaixo, o panorama do pátio, o trinar de grilos a aprofundar o silêncio, realmente uma ocasião romântica. Ela sentia-se feliz pelo momento de mais um encontro tão maravilhoso entre duas vidas reveladoras de sentires, como dois pontos provindos da mesma fonte. Não quis desapegar-se dali, a menos que o rosto ocultasse por vontade própria. A essa altura, este já fazia carícias ousadas, enfiando disfarçadamente a mão pelo vidro abaixo. Provavelmente pelo efeito da magia daquela noite enluarada ou pelo efeito do escancarar da janela, que não oferecia nenhuma resistência, apesar de ser o primeiro encontro entre ambos. Sair de lá bruscamente não era atitude certa, pensou. Continuar, estava a provocar o que não queria que acontecesse, unirem-se. Encantado, o rosto andou por mais alguns segundos a procurar os interiores dela. Mas lá havia apenas noite, pirilampos de faróis acesos a bailar e os grilos a pastorearem estrelas. Receosos, ambos, piscaram o olho. Antes de se ocultar o rosto franziu a cara, depois, ocultou-se, e, então o lugar ficou como estava no início e o texto por consumar. A lua tinha transitado para o lado inverso e a raridade da luz tornava apurpurada a copa das árvores, enquanto a janela do quarto branco, desalumiada, adormeceu por detrás da cortina de seda.


Sem comentários:

ESTE VÓMITO FOI-ME DEDICADO PELO GRANDE ESCRITOR E POETA LUSO-CRIOULO - JOSÉ LUIS TAVARES - DOMINADOR DA LÍNGUA DE BOCAGE E EXÍMIA PENA CAÇ...