sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

RAPIZIUS - BATOM NA ALMOFADA



                                                                BATOM NA ALMOFADA


Com o saco do violão a tiracolo desci do carro à porta da casa. As lâmpadas de iluminação pública, da rua, estavam apagadas, apenas luzes interiores dos estabelecimentos vizinhos iluminavam o largo. Não havia escuro, mas era quase impossível identificar à primeira vista qualquer pessoa que cruzasse comigo a essa hora da noite. Os cães que habitam a zona estavam nos seus postos de vigilância como se fossem escutas enviadas por algum comando. A cadela preta veio ao meu encontro enquanto metia as chaves no nariz da portaria de entrada. À guisa de senha falei com ela. Agradecida, afastou-se e parou debaixo do poste, encolhida ao estilo lagarto. Entrementes, vindo não sabe de onde, um sujeito mal-encarado atirou a atenção dos guardiães da zona que ladravam em várias direcções em defesa do território de guarda. Fazem-no com razão, primeiro, para corresponder ao tratamento que lhes damos, comida, água e atenção, segundo, porque eles bem conhecem a couve da sua horta. Não era muito tarde. Faltava para as duas da manhã. Repeti o ritual: água fresca na caneca inox; olhar o céu estrelado da janela; dar tempo para o sono fechar a noite. Acomodei-me no Queen, no lugar de sempre. Em pouquíssimos minutos adormeci. De repente um beco húmido e mal-iluminado a uma distância de uns dez a doze passos aproximava-se de mim. Não havia trânsito. O silêncio era sepulcral. Surgiu um vulto atrás de mim. Olhei á minha volta. Ele seguia-me. Aproximou-se, tomou-me nos braços, logo uma dobradiça gemeu e a porta abriu-se discretamente. Entrámos os dois numa sala pequena e enfumaçada, no centro, via-se uma mesinha cheia de pequenos objectos pessoais. Dali fomos para o quarto de dormir. O vulto não hesitou em me despir e de me colocar na cama protegida por uma belíssima colcha de seda bordada de imagens irreconhecíveis, porém, quando ele se colocou à minha frente não houve outro remédio senão embrulharmo-nos cegamente um no outro, contorcendo-nos como meadas de algodão na meia-luz que tornavam as paredes mais distantes do que estavam na realidade. Arrojadas, as nossas mãos navegavam na superfície morna dos desejos como germe em busca do rociado. Aconteceu o que tinha de acontecer. O sonho entrou numa sonolência brutal. Nem silêncio na tumba do faraó. Mais escuro do que a noite era o caminho do regresso á vida. Assim que o cansaço cedeu lugar ao alívio alcancei uma rua onde latiam cães. O guarda mandou-me parar. Não obedeci. Desatei a correr. Meia hora depois, entrava em casa a berrar para a mulher: Linda! Linda! Consegui escapar.  Enraivecida e sob espanto a mulher veio lá de dentro, acordada daquela maneira a essa hora da noite. As luzes estavam acesas, inclusive a do quarto. Ao aproximarmos da cama, na fronha do travesseiro do meu lado, o batom vermelho, sinalava, vivamente, a presença duma outra mulher. Amedrontado pelo ocorrido, enrolei-me nela, pedindo socorro, incrédula, a mulher não quis saber de explicação nenhuma. Que havia eu de dizer do batom na almofada?

Sem comentários:

Poemas do Litoral

ESPELHO D'ÁGUA EM ARCOS DE PEDRA Dois retractos do antigo Dezembro à janela do presente mirando o desmoronar do tecido verde das ...