domingo, 23 de março de 2008

Poesia Escancarada


POEMA DO LIVRO CHÃOTERRA MAIAMO

Todas as manhãs
a fome mata a boca do pão
e na barriga da vida morre.
Quebrar o jejum
é sono embalado de toda a fome
igualmente para todo o homem.

Matando a morte em nome da fome
o homem é cada vez mais sem nome

Há fome
mais viva que a vida numa barriga
e há fome
que é hábito ou prazer da comida
e ainda há fome
que é óbito sem nome e sem guarida.

Quem morrerá... pela morte da fome
em nome do homem?

(Kb)

1 comentário:

Alex disse...

Terrível pergunta. Pois é, QUEM?
E tantas são ainda as mortes por morrer, para a salvação dos homens.
Ab druminguêru.
ZC

P.S. Gostei particularmente destes versos:
"Matando a morte em nome da fome
o homem é cada vez mais sem nome"

Poemas do Litoral

ESPELHO D'ÁGUA EM ARCOS DE PEDRA Dois retractos do antigo Dezembro à janela do presente mirando o desmoronar do tecido verde das ...