quarta-feira, 4 de maio de 2016

RAPIZIUS

Saí da Livraria Nho Eugénio. Olhei o ecrã do móvel. Eram 11 horas e 15 minutos. Entrei na loja de frutas ao lado para apanhar brócolos e berinjela. À porta esperava-me o vendedor do Jornal Expresso das Ilhas.
- Sr. Barbosa, sei que o senhor não compra jornais, mas o senhor é homem de cultura. Tenho boa coisa para si: - Disse-me em tom alegre.
Parei para ver. Tirou da mochila um livro e disse-me:
- Hoje o Sr. vai levar o jornal tem boas notícias. Olha, jornal e livro pelo preço de 500$00. Boa compra não é! Olha, o livro é de um homem da cultura como o senhor, Chiquinho: - disse-me entusiasmado.
- Olha, meu caro, o livro chama-se Chiquinho e o escritor é Baltasar Lopes. - Expliquei para ele, mostrando a capa do livro.
- Sim, Salazar, aquele que mandava em Portugal. Replicou.
Desatei a rir, enquanto tirava o dinheiro da carteira.

Ele, também, sorridente pediu-me uma moeda para levar uma fruta do expositor logo à nossa frente.

Sem comentários:

Poemas do Litoral

ESPELHO D'ÁGUA EM ARCOS DE PEDRA Dois retractos do antigo Dezembro à janela do presente mirando o desmoronar do tecido verde das ...