segunda-feira, 30 de maio de 2016

O Sol das Quatro




Para os campinos, às quinze e trinta horas começa sol de macaco ou seja o atenuar do queimor da hóstia de fogo, vigiante da terra. A esta hora muita gente está pegada na soneca da tarde. Instalado na cadeira de baloiço, sem tirar os pés do chão a compassar sem esforço, ele movia-se na posição usual a cogitar. Era uma habituação. A janela da sala deixava entrar muita luz e frescura a essa hora. 
Tomado pelo fardo do silêncio, imobilizado, subitamente, aproximou-se dele uma janela convidante. Pensativo, olhava-a de frente, movendo as pálpebras devagar, lembrando o alar de uma borboleta grávida, a refrescar no jardim. Viva era a janela. Mudava de formato. De rectangular reconfigurava-se em polígonos estranhos cruzados por seres afeados e velozes. Também desformada era paisagem sob restos do céu, segurando nuvens púrpura, da cor da tintura do abissal, onde fundeiam os suicidas. 
Levantou-se, aproximou-se dela, assomou a cara e um sopro o atirou aba fora, desaparecendo no entranhado. Esperou pelo choque brutal, mas não. Flutuava. Flutuava como ondas de telefonia. Acabou sentado num salão de frouxas luzes. Perto dele uma tabuleta dizia: Vale nada viver se nada diz a morte. Mais além, outra tabuleta a balouçar trazia: Benvindo os suicidas. E na tarja gigante vinha a inscrição: A morte augura o desviver, sendo o suicídio festa á perpetuação do viver da morte. 
O salão tinha-se transformado num denso bosque. Manteve-se por lá no meio de exalações, pomadas e perfurações. Nada se mexia e nada acontecia. Imperava o sossego. Repentino foi o som da orquestra que vinha não se sabia de onde. O tempo não passava por mais coisas aconteciam. Apagaram-se as luzes. As dezoito pancadas do velho relógio de parede fê-lo erguer o pescoço pendido sobre o peito, fazia tempo. Despertou, pôs-se de pé e acercou-se da janela, deixando a cadeira de baloiço a oscilar.  Assomou para apreciar o movimento que lá fora havia no momento. Foi excitante regressar do profundo em que se tinha mergulhado enquanto o sol descia para a tardinha.

Sem comentários:

Poemas do Litoral

ESPELHO D'ÁGUA EM ARCOS DE PEDRA Dois retractos do antigo Dezembro à janela do presente mirando o desmoronar do tecido verde das ...