domingo, 26 de janeiro de 2014

Recordando TUTUTA

 
Conheci a Tututa em Mindelo em 1970, na loja Benvindo na Rua de Lisboa, acompanhado do irmão Tchuff que fez questão de me apresentar a dona do piano que se ouvia no disco vinil, cuja sonoridade enchia o espaço frente a Casa Madeira onde eu trabalhava.
 Sorridente, simpática era a senhora que me ofereceu a face para um beijo, viva era a fisionomia da pianista que possuía uma das melhores mão esquerda no piano em Cabo Verde.
 Dos músicos que conheço Djosa Marques, Tututa e Chico Serra são os grandes do nosso folclore, os possuidores de esquerda fenomenal no acompanhamento da morna e da coladeira e de outros géneros tradicionais nossos.
 A morte da Tututa, para mim, é ganho de uma luz fecunda no firmamento dos grandes da nossa terra que formam a constelação dos imortais. Os grandes nunca morrem por aquilo que fizeram e o que representam na história do nosso povo e da nossa terra.
 Tututa, tal como o irmão Tchuff foram demais vibrantes interpretes da nossa música e da nossa cultura popular, foram expoentes e exemplos de como se deve encarar e aproveitar o que a humanidade criou para servir os povos, os homens e as mulheres apostados na criação e na recriação de motivos e de conhecimento para significarem como entidades de respeito e da nossa eterna admiração. Piano instrumento que a Tututa dominava é demais exigente para quem intensamente vivia a vida de cuidar de si e dos filhos.
 Admira-me a querida Tututa, sabendo que o seu instrumento de trabalho era impossível levá-lo ou tê-lo ao colo como é o caso do violão ou cavaquinho, por exemplo. De todo o modo ela semeava alma nas teclas a preto e branco que formavam a sua tábua de entretenimento. Bem haja esta rica senhora, autêntica Donana orgulho de nos vida (citando M de Novas).
 Que o assento fosforescente do universo receba esta luz crioula de partida para o ponto inicial de vida. Gloria eterna à alma e à obra de Tututa, ELA simples no nome e no viver.
 Um abraço de solidariedade à família Évora, residentes e ausentes na terra longe.

 Carlos Alberto Barbosa

2 comentários:

Anónimo disse...

Aqui podemos conhecer essa grande Mulher e Artista: http://vimeo.com/bliz/trailerdonatututa

Anna disse...

Hello Sr Barbosa- N sta tão contenti encontra es blog. Ami e Anna, fidja de Jose Domingos de Brava. Visita nha blog www.the-Creola-genealogist.com.
Fica dret

Textos Exilados

POEMAS DA COLETÂNEA - TERRA DILECTA  - CAMINHOS CANTANTES -  NÃO PUBLICADOS 1 Julho de remotos Julhos. Cíclicos Julho...