domingo, 26 de janeiro de 2014

Floris d'Ibyago


E SE TE FALASSE ASSIM DO AMOR

 

E se te falasse assim do amor
Meus olhos, os teus não buscam
Nem a tua a minha alma  
Nem meus, os teus lábios
Nem a tua a minha carne.

Mas a palavra Não.

Do não quero
Não me toques
Não me canses
De cada vez que insisto
Em roubar-te em privado
Os cantos da tua curvidade
Que meu tacto pesquisa
Como abelha na melífera flor.

Teu, meu sexo não pede
Mas o prazer do Não
Do não sejas atrevido
Do sai da minha roda
Não abuses da ocasião
Não és meu tipo de par
Do não abrir a verdade
E camuflar o gesto.

Apraz-me o Não iludindo o Sim.
 
Kaka Barboza

1 comentário:

scooby disse...

A meu amigo Kaká Barboza cada vez nos surpreende mais! Esta poesia é máxima de Amor e Ternura, palavras para quê meu amigo.

Hermínio Egídio Gomes.

RAPIZIUS

            Adivinhem! O Boeing dos TACV gemia em pleno espaço em direcção às ilhas. Estou a três horas de Boston no seat five...