terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Floris d'Ibyago









No deserto dos cantos
Percorri céus apagados
Como pastor vagabundo
Incapaz de me reencontrar.
No deserto dos recantos
Percorri reprimidos passos 
De doídos dias e segundos
De ardores de maltratar.

Procurei no pranto   
O chão de mim,
Os mitos,
Os sonhos,
As sombras sílvicas  
Onde meus grilos se silenciam.
Procurei nos acordes  
O lugar onde sepultar o amor  
De amar a nívea Flor do Ibyago.

Á se eu pudesse explodir
O pesar que no alento trago  
Até estrelas e cometas  
Virarem no longe do além
Onde é fértil a Flor d’Ibyago.

27 Dezembro 2013
Kaka Barboza

Sem comentários:

RAPIZIUS

            Adivinhem! O Boeing dos TACV gemia em pleno espaço em direcção às ilhas. Estou a três horas de Boston no seat five...