terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Glorificação de Eusébio


Por aquilo que apreendi e experimentei nestes dias iniciais do ano, acho e digo, que Portugal é um país de sorte, de muita sorte mesmo, por aquilo que é e nutre o seu povo nos momentos em que ele é quem mais ordena.
De todos os ilustres e grandes filhos das colónias africanas que Portugal Imperial teve em mãos, Eduardo Mondlane, Agostinho Neto, Amílcar Cabral e tantos outros, foi Eusébio da Silva Ferreira, na simplicidade africana do seu ser, quem conseguiu fundir com eficácia no fogo da prova, sem albificar, a parte mais ingrata da nossa história comum, tornando-a bálsamo edificante e humanizante do respeito, da consideração e da amizade fraterna existente entre os nossos povos.
Fica na história quanto bondoso é a alma e o coração africanos. KB

Sem comentários:

Prefácio da obra Gruta Abençoada

NOTA DE LEITURA Boa Entrada é tudo menos lugar erótico, mas, sim, uma ribeira exótica e cativante, situada na margem direita da sed...