sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Floris d'Ibyago


 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
 
EIS-ME PROFESSORA

                      Para Drª Felisa Prado
 
É aliciante caminhar
No silêncio do pastor
Que a pedra vê andar
Na sola do pé da alma
No folego e no ardume
Levando sons e arpejos  
Ao ouvido das estrelas.

Houve afastares  
Carestia de imagens
Cortejo de saudades
Eufóricos pensares  
Atalhos e relâmpagos  
Obstinação e vertigens  
Arrepios e esbanjo.

Contive e reprincipiei.

Eis-me, professora!
Tudo recomeça donde o fio
Se parte ou onde o olhar
Sai para outro imaginário.
O ressuscitar da viagem
Do túmulo de silêncio
É sempre vinda reciclada
Do túnel de luz no fim do túnel.

Hoje, agorinha
A janela vestida de razão
Emana saudades novas  
Outras alegrias e forças
Como pontes ligando abraços
De ontem aos de sempre
Eis-me, professora…

Praia, 10.01.14
-Kaka Barboza -

Sem comentários:

Textos Exilados

POEMAS DA COLETÂNEA - TERRA DILECTA  - CAMINHOS CANTANTES -  NÃO PUBLICADOS 1 Julho de remotos Julhos. Cíclicos Julho...