quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Floris d'Ibyago





           INTEIRAMENTE

 
Olhando os anos começo a ver ruas
Correndo ruas tantas vezes pisadas
E buracos tantas vezes tropeçados
Que de mim não dão conta.

Mas o que tudo isso soma
Se as ruas são outros caminhos
Que andam sem saber para onde vão
Que rumo e que sortes levam.

Mas o que tudo isso rende
Se a idade que levam nos pés 
E os buracos em que tropecei 
A caminho do hoje dos anos 
São passares que ambulam
Belos e maus transpores,
Sem saber onde permanecem
E que destino têm dentro e fora de mim.

Encarando os anos começo a ver fins  
Apressando horas e horas vagas
Consumindo o tempo da idade
Que de mim não dão conta.
Inteiramente…

 - Kaká Barboza -


Sem comentários:

Textos Exilados

POEMAS DA COLETÂNEA - TERRA DILECTA  - CAMINHOS CANTANTES -  NÃO PUBLICADOS 1 Julho de remotos Julhos. Cíclicos Julho...