sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Vento & Ventoinha

DANINHO TEM MEDO DI DANADO

Com a recente revisão do Código Eleitoral aprovada a 01-02-10, pela unanimidade dos deputados presentes na Assembleia Nacional, procedeu-se à alteração das disposições específicas do Código Eleitoral referentes ao recenseamento no estrangeiro, visando adaptá-las aos novos princípios entretanto aprovados pela última revisão do CE (Código Eleitoral), e de outras disposições conexas relacionadas com o processo eleitoral no estrangeiro, cuja experiencia aconselhava deverem ser adaptadas, sem contudo alterar o conteúdo, o sentido e o alcance a que as mesmas se referiam.

Durante o recenseamento eleitoral geral no estrangeiro e nos períodos eleitorais, a entidade recenseadora de cada unidade geográfica de recenseamento é a comissão de recenseamento designada nos termos do Artº 78º do CE. Nesta matéria o MpD acautelou-se mal.

Furtando-se ao inicialmente acordado, cuja lista dos eleitos a esse órgão recenseador eram e são a prova cabal do consenso chegado ao nível das partes parlamentares, arrepiadamente, o MpD no seu exercício ventoinha vem desandando e desinformando, justificando-se com variantes outras e demais aborrecidas porque ninguém acredita que os craques da fraude deixaram de o ser lá porque sofrem na oposição da ganância do poder. São tão fastidiosas as acusações que se tem vido a fazer, a ponto de todos os escribas ventoinhas vêm batendo sobre a mesma coisa da forma mais incrível, a pensar que alguma vez que a hegemonia da mentira prevalecerá sobre a normalidade dos factos. Por isso essa passeata custosa (com dinheiro de que fonte?) e o buscar de factos como quem fareja o cio do verbo fraudar.

Por causa do recenseamento assistimos a actos impensados, a atitudes espinhosas, adentro da estratégia emepedina de manipulação da opinião pública dentro e fora do país, para fazerem crer que a culpa é dos outros, sempre do Paicv e do seu governo, esquivando-se concorrer de forma ordeira e pacifica nos necessários esclarecimentos que esta matéria requer. Mas não. Os aventolas preferem a confusão. Esta pretensão em querer de viva força impor regras da sua conveniência, não passa e não cola. O MpD mostra-se uma turma atrasada destinada a provocar a instabilidade do acto eleitoral e a deserção dos votantes.

É preciso que se saiba que o espaço de participação política é de todos e sem forçar ninguém. Todos os partidos têm a importância que têm. Não pode e nem devem ser convertidos em campos de ensaio de conflitos (latentes) e nem tão pouco em agentes do descrédito das instituições da república. É que acreditar nos aventolas é como atear fogo em lenha verde, fuma, fuma e não flora lume. (BK)



1 comentário:

america disse...

oi
chegando agora w pouco entendendo mas adorando a decoração
parabens e sucesso
visite o meu blog
o blog da vovó que se achava... até cair na real

http://tendoesendo.blogspot.com

Poemas do Litoral

ESPELHO D'ÁGUA EM ARCOS DE PEDRA Dois retractos do antigo Dezembro à janela do presente mirando o desmoronar do tecido verde das ...