terça-feira, 28 de setembro de 2010

Poema à Liberdade



                                 Até os antípodas do meu eixo

                                 Falo.

                                                      Faço.

                                 Côncavo nunca na vida.

                                 Até lá... e mesmo lá.

                                 Se terrificante for a terra emergirei terramoto

                                 Se amarfanhado for o mar revoltarei maremoto

                                 Se farfalhado for o ar tornar-me-ei vendaval

                                                      Repuxado e bravo

                                                                     Rapante e indomável

                                 Para fecundar convexo a razão das vontades.

                                 Até os antípodas do meu eixo

                                 Falo.

                                                            Faço.

                                 Côncavo nunca na vida.

                                        (Do Livro Chão Terra Maiamo) BK

Sem comentários:

Poemas do Litoral

ESPELHO D'ÁGUA EM ARCOS DE PEDRA Dois retractos do antigo Dezembro à janela do presente mirando o desmoronar do tecido verde das ...