sexta-feira, 3 de junho de 2016

Um Dia com o Poeta Corsino Fortes



Às 10H00 estava eu em casa do poeta. Ele tinha terminado o café da manhã. Esperei por ele na cadeira de costume. De pijama, sorridente, entrou na sala de estar. Eu e ele não nos saudávamos, celebrávamos a fraternidade.
 Meu caro, tenho uma coisa para te mostrar. Trazia na mão três livros. E começou: Passei a noite a estudar Haicais. Nunca me tinha passado pela cabeça lidar com isso. Há várias formas de dizer. Eu gosto de Haicais. O Haicai é uma forma poética concisa e provocador do espanto. Explicou-me a origem e as várias formas que o Haicai assumiu no ocidente literário. Referiu-se a Bashô expoente inevitável desta arte de escrever. Abriu o bloco de notas e leu-me o seu primeiro haicai. Este é seguramente o primeiro Haicai do poeta irmão, Corsino Fortes.
 Poema perdido
 no pó poalha da palavra
 pavor do poeta.
O seu bloco de notas traça na realidade a trajectória do poeta na sua nova paixão … aprimorar os haicais, hoje, editado em livro. Momentos singulares e de boa conversa guardo comigo, entre outros, os da composição dos últimos poemas, todos eles desenhados na mente, para, depois, transpô-los no bloco de notas. Dentro do automóvel do Sr. Fran Gonzalez, a caminho do aeroporto de Las Palmas, de regresso às Ilhas, o Poeta Maior descrevia-nos como viria a ser o poema que tinha em mente.
 Dias depois dei a conhecer ao poeta o ensaio:
Flores d’Ibyago
alvo jardim de lonjuras
flumes luzentes.
Sorriu. Está bonito. Contou as sílabas. Explicou-me as regras. Trouxe o bloco mostrou-me outros em construção, leu e explicou o conteúdo. Ele estava entusiasmado com isso. Olha, meu caro. Vamos levar a ideia aos académicos e ver se conseguimos um dia fazer uma sessão de Haicais. Haicais nossos. Seria uma coisa bonita e inédita. Vamos pensar nisso. Da minha parte eu quero chegar a uns trinta. Já dá para começar. Nesse dia só falamos de Haicais. Assinou o cheque da Academia, despedimo-nos, com a alegria de sempre. Olha, meu caro. Esta casa é tua. Podes vir a qualquer hora do dia ou da noite. Estou sempre cá. Fecha bem a porta lá em baixo. Bateu o portão de ferro e rodou a chave duas vezes. Nossos encontros eram autênticas celebrações de amizade.
Conviver com Corsino Fortes era celebrar o amor ao próximo.

Sem comentários:

Depoimento

LANÇAMENTO DA ANTOLOGIA CABO VERDE PROSA LITERÁRIA PÓS-INDEPENDÊNCIA DEPOIMENTO     Caro confrade Jorge Carlos Fonseca, poeta...