quinta-feira, 2 de junho de 2016

O Bilhete do Mês


Escureceu e os violões tinham-se calado no Pôr do Sol. Era um domingo de bom tempo. Música e recordar o passado fizeram parte do passatempo. Tudo passou depressa. Custa partir quando o ambiente é bom. 
Eram vinte horas e poucos minutos quando o automóvel seguia calmamente no piso irregular da estrada. As margens escondiam-se na escuridão com o avanço dos faróis. Subitamente relampejou, depois trovejou. O espanto parou o movimento. Forte foi a pancada. Acidente. Parecia o já visto. Um estrondo perseguindo a jornada. Visualidades! Nunca se sabe. Qualquer viagem contém receios. Aprontam sustos. Neste caso foi um susto valente. Aconteceu o que tinha de acontecer. Só não calhou o que devia calhar. O fim esteve, mas sumiu num ápice no negrume aterrador. Vindo do breu, uma voz segredou á janela: Ele não é daqui. Ele é estrangeiro. Vamos embora. Deixa-o ficar. Gracejaram corvos e lagartos. Uma voz na escuridão alertou: não, ele é mesmo daqui. Apesar de tudo, as peças do esqueleto estavam intactas, mas de coração gelado. Ao lado, o outro que tudo viu e tudo assistiu, resfolgava frígido. Da lista dos condenados ao eterno descanso não constava os esqueletos em viagem. Morreu a morte de angústia e viveu a vida de alívio. Era o mês de Maio. Mês do não enterrar, mas sim de florescer. Tempo do amanhecer e do pôr do sol tropical. Tempo de mudança de estação, de viagens e de lazer. Mês das acácias rubras e da loucura dos pardais e grilos no pátio a inaugurar a tropicalização do calendário. Viver é calar dores e morrer é silenciar amargores.  

Sem comentários:

Prefácio da obra Gruta Abençoada

NOTA DE LEITURA Boa Entrada é tudo menos lugar erótico, mas, sim, uma ribeira exótica e cativante, situada na margem direita da sed...