sábado, 24 de janeiro de 2009

Uma Nota em Si menor


Caros visitantes.
Visitantes de longe.
Vai esta nota.
Gostaria de começar assim: Eu vos saúdo no Brazil, na América, no Portugal, na França, Itália e no resto do mundo. Já não vou sair de cá por nada deste mundo, mesmo sendo eu aquele emigrante ki ka bai (em stand by).
A nossa terra tem de longe mais coisas boas do que coisas más. Estou seguro disso. Pena é que o filho da terra quanto mais instruído parece ser, mais perdido vira. Extrema demasiado as posições, porque gasta e não faz o balanço. “K’mê kagá dun vez”. Faz e pensa depois. Dói-se e detrrama em reclamações.
Outrossim, o filho da terra gosta de radicalizar as suas opiniões a ponto de admitir uma espécie de ditadura que lhe agrada para não ver os interesses, por vezes mesquinhos, satisfeitos. Mais, exige do bom e do melhor porque entrou na moda que isto é bom, porque ajuda-nos a ir mais longe, no entanto o mesmo filho da terra mija em cima da exigência colectiva. Um misto difícil…!?

De resto este ano há muito pasto para os animais, feijão verde, hortaliças, mandioca, batata, e cinzas vai prometer…. menos o peixe seco, sempre mais caro, o resto vai estar ao alcance de todas as carteiras. Vai haver frio no Carnaval e isto não vai impedir a nudez da maltinha fofinha dos bairros.
Posto isto, se o mapinha dos pontinhos vermelhos fala sério, é porque estou sendo lido nestes lugares onde as respectivas bandeiras se encontram hasteadas. O blog voltou e não sei por quanto tempo. Todavia, vos agradeço o contacto. O blog sou Eu…. sério, disparatento, cabeça virada, atento, a musicar, a escrever e a descrever, a fotografar, a comentar, sempre de forma respeitosa desde que não seja mordido por nenhum lacrau.
Pois, fico contente ao sentir-vos próximos como se eu era capaz de sentir na pela dos sentidos os kliks no SVS. Estar no Blog, para mim, é como estar num bar onde cada um está e convive com quem quiser conforme o paladar da conversa. Um monte de convivas, todos diferentes. Isto é que é. Bom FSma.
KB

Sem comentários:

Poemas do Litoral

ESPELHO D'ÁGUA EM ARCOS DE PEDRA Dois retractos do antigo Dezembro à janela do presente mirando o desmoronar do tecido verde das ...