quarta-feira, 26 de abril de 2017

Depoimento



LANÇAMENTO DA ANTOLOGIA
CABO VERDE PROSA LITERÁRIA PÓS-INDEPENDÊNCIA
DEPOIMENTO
  
Caro confrade Jorge Carlos Fonseca, poeta e prestigiado Presidente da Republica, agradeço a aprovação da apresentação da obra - Cabo Verde Prosa Literária Pós – Independência - neste magnifico espaço – Sala Pequim da Presidência da Republica, bem como o programa do ciclo de leitura, gesto honroso, justamente na vizinhança do dia da celebração dos 110º aniversário do nascimento de um destacado patrono da nossa Academia de Letras – Baltazar Lopes da Silva.
 Daqui saúdo a produtiva cooperação com o Banco Interatlântico, instituição benemérito da nossa Academia de Letras, quem suportou por inteiro esta bela obra; louvo as organizadoras desta suculenta compilação de contos curtos: as Professoras Érica Antunes, Fátima Bettencourt e Simone Caputo Gomes,  membros da ACL, pela gentileza, agudeza de espirito e pela capacidade de realização deste belo exemplar em pouco tempo; Realço o belo trabalho da Acácia Editora, na pessoa do Sr. Joaquim Morais, pela minúcia e cuidados dispensados, pela qualidade e boa apresentação desta moderna coletânea de contos. O meu muito obrigado aos cooperadores e á ilustre assistência, sempre nossa seguidora, pela presença e estímulo.
 Permitam-me insinuar que recolher e compilar o melhor nunca foi simples, mas romper estorvos e fazer, é superar hesitações.
As organizadoras foram sensatas na preparação deste autêntico mostruário de novas letras, de novos mensageiros, de novos escultores do verbo, todos eles edificadores da cidadania operante (em crescimento) cujo talento e fantasia fazem-nos viajar pelo mundo e pela sociedade crioulos, mas também para fora dos limites da ilha, invocando ambientes e visões, alegando e narrando intrigas e réplicas, narrativas estas erigidas em marco colateral ao da claridade enraizado no regionalismo e no universalismo, como defendia o poeta e ensaísta Manuel Lopes ao evocar a problemática da literatura nos meios pequenos ou acanhados e nos meios grandes, sendo o marco de agora inserido no tablado global do mundo, distinto em rumo e modelo literários, sem que a pena nacional nascida do sal da terra, têmpera da trova, da poesia e da prosa ilhéus, perdesse emoção e vigor.
 Ao tempo da claridade, pouco parecia muito, ao invés, hoje, tempo das novas letras, vários são pouco, mesmo com a anulação dos limites que a criatividade de outrora se sujeitava, não obstante, editar, ainda é freio a superar. Porém, criar e produzir são tarefas que cabem aos escritores, vulgarizar é empresa das editoras nacionais e externas, mas zelar e conservar o património literário construído cabe, primeiro, aos autores e suas associações de classe, cumprindo ao estado defendê-lo e protege-lo através de medidas e de acções concretas, sabendo que as letras cabo-verdianas são os alicerces da nossa identidade e massa da caboverdianidade no mundo, como tal, devem, todo o tempo, estarem vivas nas escolas, nas universidades, nas livrarias, nas bibliotecas, para estudo e difusão, e também nas mãos dos leitores e traduzi-las em outros idiomas e coloca-las noutros espaços de leitura.
 Estamos perante uma colecção de textos em prosa que espelha o elevado interesse da Academia Cabo Verdiana de Letras em divulgar as criações dos autores nacionais, alguns bem conhecidos, outros, nem tanto, sendo, todos eles, obreiros de estilos e de contares do passar das ilhas, das gentes e dos esquemas de comportamento, reflectindo apegos, visualizações e ponderações, quiçá, revirares da vida, ciente da perpetuação dos seus nomes e das suas obras e ao mesmo tempo presenteá-las aos amantes do livro e da leitura onde quer que estejam.
 A presente Antologia, sem forçar o calendário, refere-se ao período aludido na capa do livro - Cabo Verde Prosa Literária Pós – Independência, e revela com prudência e audácia um percurso prolífico dos autores e das letras cabo-verdianos neste lapso de tempo. Trata-se de um projecto e de uma solicitação da ACL cujo labor foi confiado a um trio notável de cultoras referidas na portada desta comunicação, entidades de confirmada competência e dedicação na valorização e na difusão das letras nacionais, um debruçar aturado sobre prosa diversa de escritores vários, resultando neste bonito indicador do itinerário da palavra nos mais variados sentidos, acomodando iniciativas, crer e querer crioulos, ideando lugares que decerto amaríamos viver perenemente.
 Esta obra identifica um tempo portador de pactos, de retornos e de inícios, envolvendo quarenta e cinco títulos de outros tantos autores com os pés fincados no mesmo centro e de olhos postos nos graus da girante da bússola determinante da aventura crioula, proeza do “navio de pedra que busca o rumo sem poder encontrar-lo no seu lugar”, citando o eloquente poeta Gabriel Mariano, nau, hoje, transformada botão do clik portador de novos rumos e viagens, de pontes sobre o mar que rola novos sonhos, de mãos inventoras do molhado que não se tem, de cultura no corpo da comunicação, mas, também,  terreiro da reconstituição permanente do sujeito poético, cutelo, onde, os poetas e os escritores hasteiam o pendão identitário, abrigo, onde residem, renascem, transformam-se, criando episódios a partir da vida vivida e prenhes de caminhos vindouros.
Ilustres senhores situamo-nos no tempo das novas letras. 
Termino, dizendo, que ao alinhavar estas palavras uma incerteza bailava-me nos sentidos: será que a literatura pós-independência é deveras impactante e portadora da mesma força incitadora tal como a que antecede a este período?


Sem comentários:

ESTE VÓMITO FOI-ME DEDICADO PELO GRANDE ESCRITOR E POETA LUSO-CRIOULO - JOSÉ LUIS TAVARES - DOMINADOR DA LÍNGUA DE BOCAGE E EXÍMIA PENA CAÇ...