domingo, 29 de janeiro de 2012

Com Alma


    Caros Amigos

    Caros Leitores

    Caros Seguidores

    Quero, aqui da distância, daqui da Gaveta Branca, dizer-vos um alou, leitores do Brasil, de Portugal, de Cabo Verde, dos Estados Unidos, da Europa riba e do continente Africano e vos gradecer também pela contínua visita ao Son di Virason.
    Creiam-me vosso amigo sincero.

    Tenho procurado agenciar as minhas opiniões com prudência e com boas maneiras, mas admito ter exagerado alguma vez por ter sido vítima dos reprováveis ataques dos anónimos. PEÇO DESCULPAS.

    Este fim-de-semana o meu pensamento esteve conectado com TODOS VÓS, patrícios diasporizados, sobretudo, com os músicos e os artistas no geral que têm mantido e revigorado as nossas tradições além fronteiras. Isso, porque fui convidado a apresentar em Assomada – Santa Catarina – no dia 01 de Fevereiro de 2012, o livro de César Monteiro cujo conteúdo é deveras curioso e destacado. Trata-se de uma análise sociológica à situação da nossa música ou da música feita por caboverdianos na diáspora lisboeta.

    Terei a oportunidade de, aqui, publicar a minha intervenção sobre o mesmo.
    Obrigado. KB

    Nota: Segue um poema recado.



                            ALENO!
                                         Pa Mimória di O. Pantera


                           Manenti…Aláno!

                           Porfiado ta bira-l strela

                           Tinta fincado ta bira-l tela

                           Gota-gota ta bira-l legrête

                           Sima teimosia bedjera. Aleno!



                           Manenti… Aláno!

                           Sol-a-sol ta po-l cende

                           Tenpo ardedo ta ganha tenpo

                           Dia agendadu ta po-l rende

                           Sima teimosia bedjera. Aleno!



                           Manenti…Aláno!

                           Brio di panu terra na torno

                           Ta mata tontura di speransa.
                          
                           Manenti... Aleno!.

                           Páxenxa di noiba na strono.

                           Manenti... Alano!

                           Sima teimozia bedjera.

                           

                          Si kâ fila!

                          Kulpado ka santo…

                          Ka mi!… ka bó! ...

                         É silencio koba nos boka.

                         KB

                           2007-03-02

2 comentários:

mrvadaz disse...

Y alenu li na Purtugal dentu-l krise ki sa ta siridjanu obidu tudu dia, sen fla ma na bariga ka sta kexadu mas...

Boa semana!

Anónimo disse...

caro amigo

Obrigado pelos teus coments que justificam a tua passagem pelo Blog. Eu visito o teu todos os dias e os teus posts dão que pensar... pois, a refilonice faz parte dos que têm alma boa. Contrariamente, somos mal apreciados... mas, o problema é deles e não nosso. Obrigado Broda. Kaka Barboza

ESTE VÓMITO FOI-ME DEDICADO PELO GRANDE ESCRITOR E POETA LUSO-CRIOULO - JOSÉ LUIS TAVARES - DOMINADOR DA LÍNGUA DE BOCAGE E EXÍMIA PENA CAÇ...