terça-feira, 27 de junho de 2017

Poemas Marginais


MÁS_CARAS EMDE_LÍRIO

Desmascarado sentei-me na gaveta  
A lâmpada acesa a vigiar minha mão
Desinquieto nem pardais-do-telhado

Bafo adormecido espalhando alma
No caderno aberto à minha frente
Silêncios versos canções ardentes

Olhos a procurar verdades em fuga
Invento o voo de uma nuvem roxeada
Um fio de água o chão de um rebento

Folhas crescendo o despontar do dia 
Subo e desço o braço do violão
Uma mão desenha e a outra arpeja

O violão curva da neguinha que amo
Há ritmar do mar e o cantar do galo
Nos recortes do dia a içar o começo

De caderno fechado à minha frente
Mascarado levantei-me da gaveta
Deix_ando más_caras emde_lírio

Sem comentários:

Textos Exilados

POEMAS DA COLETÂNEA - TERRA DILECTA  - CAMINHOS CANTANTES -  NÃO PUBLICADOS 1 Julho de remotos Julhos. Cíclicos Julho...