quarta-feira, 8 de julho de 2015

RAPIZIUS


Exercitando Declives

Listrado caiu o mirar de espanto no pátio vestido de tarde lilás.
O jogar das curvas da tua essência, o breve fantasiado de tua moldura afável prendeu as minhas ânsias, arredondou-me a flor da pele, derreteu-me a boca e o falar.
O brilhar dos teus nos meus modos, o sorrir, a leveza das mãos,
a tua pele cor de noite lobrigou os meus cinco sentidos.
A tarde lilás, fresca e relampejada de paixões fulgiam como raios.
Amei-te logo como o pastor errante ama o longo chão da sua ventura.
Amei-te como sinos da catedral enlaçado ao desbotar do entardecer.
Amei-te como o vigor do verde ama a folha, como o oásis anseia o outono de úmidos alvores.
Amei-te, sim! Amei-te antes do tempo de te amar de verdade.
A colina do tempo que nos separa é cume da sensatez ébria do êxtase daquela tarde lilás em que listrado caiu o mirar de espanto diante dos teus dotes.
Hoje, sem ti, exercito declives na ladeira íngreme das minhas insónias.


Sem comentários:

Textos Exilados

POEMAS DA COLETÂNEA - TERRA DILECTA  - CAMINHOS CANTANTES -  NÃO PUBLICADOS 1 Julho de remotos Julhos. Cíclicos Julho...