sábado, 18 de agosto de 2012

Txuba Txôbe

Comemora, chuva!

Bate, bate e jorra abundante
No bornal dos meus ombros.
Dissipa o estigma lancinante
Na tapada dos meus olhos.


Comemora, chuva!
Encharca toda a sementeira
E apalpa o secreto da inópia
Escorre densa pela artéria
Alaga os gabiões da invídia.


Comemora, chuva!
Goteja do teu ventre biplume
O afoito grelo no rego da vida
E revigora de tapume a tapume
O verde da verdade combalida.


Comemora, chuva!
Abunda e inunda a arrogância.

(Da coletânea ChãoTerra Maiamo - KB)

Sem comentários:

Poemas do Litoral

ESPELHO D'ÁGUA EM ARCOS DE PEDRA Dois retractos do antigo Dezembro à janela do presente mirando o desmoronar do tecido verde das ...