segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Bilhete ao Professor de História

                                                              Para o Professor de Históra do Caboverdiano
A esperança querendo se dependurar
Que o faça sem deduções nem lamúrias.
O meu boi, último a morrer, resistirá
Na pele do corpo da memória
Cheia de sonhos e folguedos do tempo de azágua.

Sob o Piku Ntóni nasceu o berço dos sentires
Sob as árvores da Bolanha o ninho da liberdade
Sob o som dos grilos e da folhada o mister
Dos poemas e as músicas da minha inocência.
E foi o meio do mundo a gerar os caminhos
Os mitos, as lendas, as bruxas, a expectativa
Em mim cativa na vida que ainda vive.

Pelas lutas
Pelas crenças
Pelos caminhos
Pelos louros e fragores, lacrimejarei jamais.
Nem pelo fim da esperança.
Fá-lo-ia pelos velhacos da terra
Cuja esperança é último a desaparecer

Hoje,
Sentia-me feliz se a velha esperança pendesse
No madeiro desta idade que ainda caminha
A terra pelo mundo impossível de agarrar.
Que o faça sem vaticínios e sem lamúrias.
O meu boi, último a morrer, resistirá
Na pele do corpo da memória
Cheia de sonhos e folguedos do tempo de azágua.

Kaka Barboza

Sem comentários:

RAPIZIUS

            Adivinhem! O Boeing dos TACV gemia em pleno espaço em direcção às ilhas. Estou a três horas de Boston no seat five...