quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Facto Kuarto


Um tronco tranquilo dialoga com tudo o que está á sua volta, incluindo o olhar vago de um pau fincado a lembrar à luz a sombra quando árvore era.
Dez anos atrás escrevia este poema dedicado a Mário Fonseca...
(Da coletanea "Chão terra Maiamo")
Ao Mário Fonseca

Não é corrosivo o hálito desta voz?
Clamando por chafarizes e passeios
Por aquários nos jardins infantis
Pelo verter constante da fonte
Pela corrente eléctrica 24 horas
Por água corrente e potável
Pela conduta das águas negras
Por bebedouros públicos e retretes
Pela recolha e incineração do lixo
Pelo destino útil dos meninos de rua
Pela ocupação sadia dos tempos livres
Por uma pátria exponencialmente grata.

Digo-te...
oh açulador desta miragem.
Na pele amadurecida deste tamborão
basta um fio ateador de coragem.

C’est comme le feu en parade
Un tourbillion en cascade.

Nem o establishment
resignação ou espaços.
Do acaso nem cânticos dos seus buracos.
Nada resistirá l’évidence...
“si le peuple en est capable”
(Kb)

Sem comentários:

Prefácio da obra Gruta Abençoada

NOTA DE LEITURA Boa Entrada é tudo menos lugar erótico, mas, sim, uma ribeira exótica e cativante, situada na margem direita da sed...