sábado, 25 de março de 2017

Rapizius - Funaná




                                                                      FUNANIGHT

Quando se edita uma obra com base em um projecto pensado o seu autor procura fugir ao óbvio, isto é, incorpora e aproxima, cria e dialoga, expressa e comunica, MEDITA e promulga.
Foi o que aconteceu ontem no Auditório Jorge Barbosa. O músico e compositor Mário Lúcio trouxe-nos a ideia de como se recria e se inova através do som cuja linguagem e fraseamentos melódicos são de simples feitura, mas construtivos e perfeitos num aproveitamento desabusado dos motivos que dão sentido ao Funaná.
Funanight é, em si, um concerto em disco, é uma proposta e uma viagem pelo habitat do funaná, diria, pelos diferentes santuários dos trovadores de Santiago, pela cifra onde a magia da gaita e do ferrinho enfeitiçam a pauta, onde, nós outros, (re)criadores vamos buscar a essência e os motivos para os incorporar nos tempos modernos da musica nacional.
Valeu ter participado da marca Funanight e da ilustração musical que a noite de Mário Lúcio nos proporcionou, valendo, também, em toda a linha, o desempenho dos músicos acompanhantes (executantes) que exibiram técnica e saber estar na música.
Foi uma noite de som nacional e de nacionalização do som.
Criar com arte a liberdade de criar arte é mortalha dos criadores ousados.

Valeu. Kaka Barboza

2 comentários:

Anónimo disse...

Som també é nacionalista?
Nhu Gágá Barbosa nhu toma juís.
Nhu tra boina i nhu dêxa d'ingana kem ki ka contche nho.
Na Somada storia de nho e família de nho ê konxedu.
Por isso, ki nho ê lambescu i pateta alegre.

Anónimo disse...

Un ta admira modi ki porku pa más ki imbarca e vivi na terra di branco é ca ta larga lama.
Sina tristi gó. Pretu é di castigo própi. Pa más ki sta ka ta ntúa.
Un contenti ku bó, gó. Burro é na ladera.
Kaká Barboza

Poemas Marginais

MÁS_CARAS EMDE_LÍRIO Desmascarado sentei-me na gaveta   A lâmpada acesa a vigiar minha mão Desinquieto nem pardais-do-telhado ...