segunda-feira, 21 de novembro de 2016

RAPIZIUS



Um camponês foi ao café, senta-se ao lado de uma citadina e pede uma taça de ponche de mel. A mulher olha para ele e comenta:
- Que sincronismo! Eu também pedi ponche de mel.
- Hoje é um dia especial para mim - diz o camponês - Estou a celebrar.
- Hoje é um dia especial para mim também! - diz a senhora - Também estou a festejar.
- Que maravilha! - diz o camponês.
Olharam-se alegremente e batem as taças. Nisto o homem pergunta:
- O que é que a senhora está a celebrar?
- O meu marido não consegue ter filhos. E hoje o meu médico disse-me que estou grávida.
- Olha como Deus é justiceiro. Que maravilha! - diz o homem. - Sou criador e faz algum tempo que as minhas cabras não se engravidam. Consegui! A barriguinha delas já está à vista.
- Isso é formidável - diz a mulher - Como é que conseguiu isso?
- Mudei para o bode do vizinho - diz ele.
A mulher sorriu, brinda novamente e diz: - Que sincronismo!


Sem comentários:

Textos Exilados

POEMAS DA COLETÂNEA - TERRA DILECTA  - CAMINHOS CANTANTES -  NÃO PUBLICADOS 1 Julho de remotos Julhos. Cíclicos Julho...