domingo, 11 de janeiro de 2015

RAPIZIUS


 
 
 
Morreu José Francisco Monteiro Baptista , mais conhecido por Zé Kubala, menino da Rua Sá da Bandeira, com quem joguei a bola de meia no passeio de Dona Belinha mãe da Dudu Gonçalves, nos idos anos 60. Morreu o rapazinho educado pela JAACV em Cuba, Escola Nacional de Arte - Havana, onde se formou na música, na guitarra clássica mais concretamente, o primeiro a fundar escola de música para adolescentes após a independência nacional.
Numa manhã, nas instalações do Gimno desportivo de Chã de Areia, ele dava-me a conhecer a ideia da fundação do certame musical “ Todo Mundo Canta” e, ali, com ele alinhavamos o primeiro guião que viria a ser o seu projecto que marcou definitivamente o processo da valorização da nossa música, dos autores, dos intérpretes e executantes músicos. Dias depois ele mostrou-me o programa com a indicação do local, mês e dia e o regulamento do concurso. Como participante e amigo convidou-me a participar como músico e interprete no certame para dar mais visibilidade ao projecto, proposta, logo aceite por mim. A primeira realização contou com algumas vozes importantes na altura como Calu Bana, Fátima, Bia Rendall, Falecido Tek, Regina de Doia (professora) e suportado pela banda Sinbodiana que integrava entre outros Vavá de Santinha na viola baixo.
Após três sessões, em três fins-de-semana, estive na final com Calu bana em 1º Lugar e eu em 2º lugar. A partir dali, participei em todas as mesas de júri enquanto durou Todo Mundo Canta, juntamente, com Ano Nobu, Sr. Tuna, Sr. Pipita, Sr. Benoni, Professor Djik Oliveira, Dona Fernanda Fontes, Kim de Santiago, Ney Fernandes e vários outros.
Isto para reafirmar que devemos a Zé Cubala a idealização do maior evento cultural na vertente musical jamais feito em Cabo Verde, realização que serviu de palco de consagração dos nomes mais sonantes na arte de interpretar a musical nacional. São muitos que passaram pelo crivo de Todo Mundo Canta e que hoje continuam a dar-nos a graça da continuidade da obra de Zé Cubala.
Honra e glória à sua alma. Que a luz maior do universo o tenha no seu grande foco, fonte de emanação dos grandes espíritos.

Sem comentários:

Textos Exilados

POEMAS DA COLETÂNEA - TERRA DILECTA  - CAMINHOS CANTANTES -  NÃO PUBLICADOS 1 Julho de remotos Julhos. Cíclicos Julho...