sábado, 21 de setembro de 2013

Sentires de Um Pastor de Estrelas


              SENTIRES DE UM PASTOR DE ESTRELAS

Tenho por assento a pedra,
por almofada o silêncio,
por música o silvo
e por vereda o tempo que durar os sentires.

Tenho por paixão a viagem conducente à gruta do amor,
uma vez alcançada,
no prado da razão sentinte ininterruptamente se nutre.

Deste assento sondo o tempo interior,
indagando o itinerário da estrela que ontem à tardinha
pastoreava os gestos.

À varanda do tempo debruço-me para me esquecer de mim
e aproximar-me do além de infindos bosques e funduras.

Mesmo nada podendo colher do incerto,
pastor dos teus rastros,
da itinerância do teu perfume,
do teu céu sem limites,
tenazmente continuo.

Mesmo sem poder tocar tua mão,
teu gesto e tua femínea silhueta.
Amo-te com o forte gosto tirado do tanto amar.

Mesmo longe o perto que sonho,
sinto o teu quente olfacto,
o acomodar na cama,
os passos e o café da manhã,
o acender do cigarro,
a roda no asfalto,
o digitar da mensagem,
o desfilar do sol e o suspiro à tarde.

Mesmo nada sentindo,
sinto o apertar e o roer,
o apartar e o doer
do gosto irado de tanto amar.

Mesmo nada desejar,
sinto o silvo do beijo cativo no olhar.
Mesmo nada amar,
sinto-me amar o gostirado de tanto amar.


O Domingo traz sempre o sopro
rolando maduras folhas a um onde qualquer
e por detrás do afumar do dia
é teu os contornos como bagos lácteos.

Agrada-me o silente abraço de mil apertos
e beijos mil de cilíndricos odores.
Agrada-me a loucura de andar o tempo
para a frente e para trás.
Agrada-me a vaidade de amar o perto inatingível do teu peito.
Agrada-me a melífera saudade que me demulce o sentir.
Agrada-me iludir-me adormecendo estrelas em teus níveos seios.
Agrada-me imaginar-te ilha onde tarda o entardecer
e finda a estrada dos meus sentires.
Agrada-me a pétrea almofada do voto “para sempre”.

Praia, 2013-09-20
Kaka Barboza

 


1 comentário:

Riforfo Rex disse...

"Agrada-me o seu poema", :-P desde Canarias

Poemas do Litoral

ESPELHO D'ÁGUA EM ARCOS DE PEDRA Dois retractos do antigo Dezembro à janela do presente mirando o desmoronar do tecido verde das ...