quinta-feira, 27 de junho de 2013

Canárias - SILA - Itinerante

 

CANARINA, ILHOA

Silvos da ilha e do mar alçados
Na femínea voz canarina do timple
Como deuses em altares de pedra
Canções em espirais de girassóis
Orando ao pavilhão das crateras.
Do magma, olhos, ouvidos e recifes
Hierro, Palma e Gomera, filhas.
Lanzarote, Fuerteventura, Tenerife
A Gran Canária, nativas trilha.
E tu! Canarina, ilhoa!
E se Malaguenha te cantar…
Com sal&sucrato da morna?
Vias-te pássaro ou leoa?
Benévolos os meus nos teus
Olhos de bagos de noite
Cabelos faíscas de astros
Amoroso gesto de “kretxeu”
Sorriso claro do alvorecer
Andar de pluma
Voz de nevoa
Silhueta no braço dos abraços
Sonhos e afeições
Odores e paixões
Sopros e relâmpagos
Sentires de um pastor de estrelas.
  Praia, 20.6.13 - Kaka Barboza
 

Sem comentários:

Poemas do Litoral

ESPELHO D'ÁGUA EM ARCOS DE PEDRA Dois retractos do antigo Dezembro à janela do presente mirando o desmoronar do tecido verde das ...