segunda-feira, 2 de junho de 2014

DA COLEÇÃO FLORIS D'IBYAGO


 
 
 










JANELA & BORBOLETA

Tu, janela!
Nua És impedimento.
Vazia És deprimente.

Tu, borboleta!
Ausente És perseguição.
Distante És sofreguidão.

Perfil e recorte
Ambas longínquas
Mesmo estando perto.

 Kaká Barboza

 

Sem comentários:

Textos Exilados

POEMAS DA COLETÂNEA - TERRA DILECTA  - CAMINHOS CANTANTES -  NÃO PUBLICADOS 1 Julho de remotos Julhos. Cíclicos Julho...