domingo, 13 de outubro de 2013

Floris d'Ibyagu


FERE OUTUBRO P’RA VALER

Fere Outubro p’ra valer a alma
Abre um vão entre pedra e mar
Não sendo o mesmo o sal do Sol
Que no pilão o amor em ais põe.

Roí e mói a doída canção à alma
Que dói no Lá Bemol do bronze
Que de nívea nem janela nem luz
Nem atira nem cala a dor de amar.
 
Se ainda há cânticos celebrando
A pedra que Outubro fere e injuria
O gostirado de tanto amar impera.
 
Se ainda há carreiro de ida e volta
Que chama Outubro destruir quer
Do ibyago refloram odoríficas fés.

Praia, 13.10.13 – Kaká Barboza 

 

Sem comentários:

Textos Exilados

POEMAS DA COLETÂNEA - TERRA DILECTA  - CAMINHOS CANTANTES -  NÃO PUBLICADOS 1 Julho de remotos Julhos. Cíclicos Julho...