quarta-feira, 15 de junho de 2011

Poema Fim do Mês

             São como traças estes couros gulosos
Clássicos vermes assaltantes e desalmados.
O instante chegará e o saco desbambar-se-á
E de novo elevar-se-ão os altos desígnios.

São como carrapatos estes parasíticos calos.
Autênticos seres com o diabo pactuados.
O instante chegará e o saco desbloquear-se-á
E de novo revitalizar-se-ão os ânimos.

Empanque algum reterá a hora da corrença
E como finados incinerados abismar-se-ão.
É a minha dura crença.

O instante não tardará marcar a sua presença
E como lagartos hibernados sumir-se-ão
É a minha forte crença.

 (KB - ChãoTerraMaiamo)

Sem comentários:

Textos Exilados

POEMAS DA COLETÂNEA - TERRA DILECTA  - CAMINHOS CANTANTES -  NÃO PUBLICADOS 1 Julho de remotos Julhos. Cíclicos Julho...