sexta-feira, 16 de abril de 2010

Olhos do Gato

O acalorado debate parlamentar proposto pela bancada do MpD em que “negócios ilícitos e obscuros do INPS com a EECTRA” “financiamentos de alto risco e insustentabilidade em garantir os interesses dos trabalhadores (beneficiários)” foram bandeirinhas que enfeitavam o carrossel da denúncia pública do mau uso de numerários sociais, eco que se fez sentir bem forte na proposta de criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito, constituída e votada pela Assembleia Nacional e empossada pelo seu Presidente.
A TV deu a imagem do acto de posse e também as declarações feitas na altura pelo presidente da CPI – deputado Agostinho Lopes – cito “dentro de dias vou convocar a Comissão para se traçar a agenda de trabalhos com o objectivo de passar a pente fino todos os investimentos feitos pelo INPS na ELECTRA nestes últimos anos” ponto. A CPI tem 180 dias para apresentar o relatório.

Vamos ser objectivos: O inquérito vai ser mesmo chegar ao fim? O ALopes terá tempo para isso? Não será mais uma causa sem caso? Não serão fósforos atirados ao charco?

Em tudo isso o programa de electrificação rural cuja verba vem do orçamento do estado para 2010 está a ser cumprido e com muito sucesso. Santiago está praticamente coberto pela rede eléctrica. Mas na cidade da Praia de que tanto se fala em cortes de energia, apagões e prejuízos aos cidadãos etc. há coisa séria por aí que deve ser ponderada e tida em conta.

Estava eu num lugar à conversa com amigos e conhecidos e soube de indivíduos (pagos ou recrutados não se sabe – disse um deles) que colocam ou atiram peças metálicas para cima dos fios condutores de energia para provocar curto-circuito justamente nas zonas onde as pessoas dela mais necessitam.

Certo dia escrevi que 2010 iria ser um ANO estranho. Não está sendo? Vejamos as notícias que correm o mundo. Aqui, as pequenas coisas estão a agigantar-se. Será que o martelo, aqui, dura menos que a bigorna? (Bk)

Sem comentários:

Poemas do Litoral

ESPELHO D'ÁGUA EM ARCOS DE PEDRA Dois retractos do antigo Dezembro à janela do presente mirando o desmoronar do tecido verde das ...