sábado, 22 de agosto de 2015

Improviso em Fa+Dó


O incenso que o ânus produz
na Cocolandia dos Santos e Deuses.
Declaro o bloqueamento,
mais o divorcio.
Declaro o desmembramento
  e óc(d)io.

Declaro o finamento
e vontade ao suicídio.
A tempestade forma e não arrasa,
nem chove.
Tudo indica
e não passa do sul da Brava.
A cocolandia
rescende do incenso do ânus.
O nauseabundo
invade a gaveta branca
É terramoto na terra dos santos e santas.
A água não vem
e o tsunami também.
Cobom, Safende,
Varzea, Paiol e Gamboa
Aspiram desentupimento,
dreno e poda.
Mas os deuses não acordam,
Nem atendem.
Prestes a morrer
todas as canções e poemas das ilhas
No fétido que pela janela penetra e fica.
Oh! Tempestade Tropical
leva tudo deixa ficar o mar
para futuras caravelas,
padres e pastores.
Ontem
Morreu o poeta mais sereno da ilha
É pena
que a terra esteja tão conspurcada.

Sem comentários:

Poemas do Litoral

ESPELHO D'ÁGUA EM ARCOS DE PEDRA Dois retractos do antigo Dezembro à janela do presente mirando o desmoronar do tecido verde das ...